• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

A depravação total dos pobres é uma boa notícia?

Mez McConnell 11 de Julho de 2017 - Teologia

Muito semelhante à doutrina da eleição, a doutrina da depravação é mais uma doutrina mal compreendida, ridicularizada e muitas vezes criticada em muitas igrejas modernas. Aqui está uma definição geral:

A doutrina da depravação total afirma que as pessoas, por natureza, não são inclinadas e nem mesmo capazes de amar a Deus de todo coração, mente e força, mas todos são inclinados pela natureza a servir à sua própria vontade e desejos e a rejeitar o governo de Deus.

Agora, há algumas advertências quanto a essa definição. Em primeiro lugar, e mais importante, a crença nessa doutrina não significa que acreditamos que todo ser humano no mundo é mau em todas as partes. Afirmamos apenas que cada parte de nossa natureza humana foi corrompida pela queda de tal maneira que nenhum de nós é capaz de um comportamento e um pensamento verdadeiramente perfeitos. As pessoas são capazes de boas ações e atos de benevolência, mas, porque sua natureza humana é corrupta, isso significa que toda motivação é questionável. Às vezes, isso é ilustrado de modo útil com um copo de água que tem duas gotas de corante azul adicionadas a ele. Nem toda a água fica tingida de azul, mas todo o copo fica azul na medida em que ele é afetado pelas gotas. Essa é a natureza do pecado na humanidade. Embora nem todo o seu caráter seja pecaminoso, todo o caráter é afetado pelo pecado.

Agora, há muitas pessoas confusas nos círculos da igreja atual quando se trata dessa doutrina. Novamente, o analfabetismo bíblico e o emocionalismo têm dominado sobre o verdadeiro debate e entendimento. Acredito que a menos que possamos ter uma visão correta e biblicamente fundamentada sobre a raça humana (e a depravação total, em particular), isso terá um efeito negativo em cada área de nossa vida e serviço cristão. Isso afetará o modo como vemos nosso próximo e, de fato, matará a evangelização e tornará o evangelho uma “má notícia”.

O que quero dizer com isso? Considere a seguinte conversa:

Pastor: “A menos que levemos o evangelho a todas as nações, milhões morrerão sem ouvir sobre Cristo”.

Membro: “E o ‘inocente’ homem da tribo africana que nunca ouviu o evangelho? Ele vai para o céu ou para o inferno?

Pastor (se ele for inteligente): “É claro que ele vai para o céu”.

Membro: “Mas você acabou de dizer que ele iria para o inferno. Então, como será?

Pastor: “Sua pergunta é falaciosa. Todas as pessoas sem pecado e perfeitas (e, portanto, inocentes) irão para o céu. Isso é um fato. O que também é um fato é que não há inocentes em nosso mundo”.

A questão é que devemos tirar de nossas mentes o argumento errôneo do “bom selvagem” porque não existem tais pessoas. Nós sabemos isso POR UM FATO da Escritura. Paulo é claro a esse respeito em Romanos 1.18ss.

18 A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça; 19 porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. 20 Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis; 21 porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato. 22 Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos 23 e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis. 24 Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si; 25 pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém! 26 Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; 27 semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro. 28 E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, 29 cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, 30 caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, 31 insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia. 32 Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem.

Se o nosso ponto de partida é que pessoas inocentes precisam ouvir as boas novas sobre Jesus a fim de serem salvas, NÓS ESTAMOS EM PROBLEMA SÉRIO. Porque, em vez de pessoas serem salvas pelo evangelho, elas são condenadas por ele! Considere o seguinte:

Ponto de partida: As pessoas “não são culpadas” até que tenham tido a chance de rejeitar a Jesus

Resposta cristã: Dê-lhes o evangelho

Bom selvagem: Rejeita o evangelho

Resultado: Inferno

Como essa situação muda se nosso ponto de partida for que pessoas culpadas detêm o conhecimento de Deus (por meio da revelação geral) e que elas precisam ouvir as boas novas para que sejam salvas? Considere isso:

Ponto de partida: As pessoas já são pecadores condenados

Resposta cristã: Traga-lhes o evangelho

Bom selvagem: Alguns aceitam

Resultado: A salvação chega a alguns

Para esclarecer, se o nosso ponto de partida for que as pessoas são inocentes, então o evangelho torna-se uma má notícia quando é trazido, porque alguns deles vão naturalmente rejeitá-lo. Se o nosso ponto de partida for que todas as pessoas estão sob a condenação de Deus, então o evangelho se torna uma boa notícia quando alguns respondem a ele e são salvos.

Algumas Conclusões

1. A depravação total do homem nos obriga a pregar a Cristo e a alcançar a todos com a notícia salvífica de Jesus Cristo. Isso garante que o evangelho realmente é uma boa notícia. POBRES NÃO TÊM UMA VANTAGEM SIMPLESMENTE PORQUE SÃO POBRES.

2. Uma má compreensão da depravação total eleva o homem a um estado de inocência que não tem fundamento nas Escrituras. Comete-se o erro de pensar que o homem é condenado como resultado de rejeitar as boas novas, quando, de fato, toda a raça humana nasce sob condenação. Em outras palavras, por causa de sua rebelião voluntária, obstinada e que nega a Deus, a rejeição das boas novas apenas o confirma em seu estado; ela não é o meio da sua punição eterna.

3. Devemos lembrar que o evangelho traz luz, não escuridão; esperança, não desespero; paz, não medo; cura, não dor; e reconciliação, não separação. A depravação total nos leva a buscar as pessoas com as BOAS NOTÍCIAS de Jesus Cristo em toda a sua glória.

Bênçãos a todos enquanto nós continuamos em nossa missão de levar as boas novas às almas perdidas.

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silva

Original: Why The Total Depravity Of The Poor Is Good News

Hits: 1482


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Mez McConnell
Autor Mez McConnell

É pastor sênior da Niddrie Community Church, Edimburgo, Escócia. É fundador do 20schemes, um ministério voltado para...



20schemes
Parceiro 20schemes

20schcmes existe para edificar igrejas saudáveis centradas no evangelho para as comunidades mais pobres da Escócia. Nosso desejo de longo prazo...