• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

Abuso infantil, mulheres e a igreja local

Sharon Dickens 28 de Novembro de 2017 - Família

Na semana passada, um escocês foi sentenciado a 15 anos de prisão por sacudir um bebê de 15 semanas de idade de modo tão forte que o seu cérebro foi danificado a ponto de precisar de cuidados em tempo integral pelo resto de sua vida. Para aqueles que conseguirem, a história pode ser lida aqui. É fácil imaginar esses tipos de criminosos como monstros vis quando pensamos em como tratam bebês indefesos e inofensivos. Mais uma vez, o país ficou comovido no início deste ano pelo desaparecimento e morte subsequente de Mikaeel Kular, de 3 anos. As notícias se multiplicaram quando foi descoberto que sua mãe, Rosdeep, foi acusada do crime. Você pode ler mais detalhes sobre isso aqui.

É horrível ler e pensar sobre esses tipos de histórias. Elas geram emoções muito intensas dentro de nós enquanto lidamos com raiva, piedade, compaixão e um sentimento de injustiça. Pensar em bebês e crianças indefesos sendo abusados ??e assassinados por aqueles que têm um dever de cuidar deles apenas aumenta os nossos sentimentos. Casos “sérios” como esses são assuntos de manchetes de vez em quando, mas tenho certeza de que há muitos casos de crianças sendo abusadas por mulheres em todo país, os quais não são noticiados. Uso “abuso” neste artigo para falar de crimes como: pedofilia, agressões físicas, falta de suprimento de recursos físicos, abuso emocional e negligência. Claro que existem mais, mas este é um blog e você entende a ideia! Reconheço que pais, assim como mães, abusam horrendamente de seus filhos. Reconheço que não são apenas mães solteiras que abusam dos seus filhos. Mas, quanto à abrangência deste artigo, estou falando sobretudo a partir de uma perspectiva de mãe solteira. Vamos tratar de apenas alguns desses problemas.

1. Negligência física

“Ocorre quando as necessidades essenciais de uma criança não são supridas e é susceptível de causar prejuízo à sua saúde física e desenvolvimento. Tais necessidades incluem alimentos, roupas, limpeza, abrigo e proteção... em circunstâncias que colocam a criança em risco”. (Política de Proteção à Criança de Niddrie)

Por que uma mãe negligenciaria o seu filho?

Muitas vezes a negligência ocorre quando algo que entra na vida de uma mulher substitui o seu cuidado por seu(s) filho(s). Muitas mulheres afirmarão amar os seus filhos, mas, por exemplo, gastarão dinheiro em um saco de heroína em vez de em comida, luz e roupas. Outras, por solidão, admitem que homens suspeitos em suas casas tenham acesso aos seus filhos apenas por causa de companhia. A negligência ocorre quando os interesses e necessidades da mulher se tornam a prioridade. Quando algo, qualquer coisa, está nos governando, isso tem a primazia — não importa a quem possa doer. Seria ingênuo de nossa parte desconsiderar as mulheres como abusadoras e acreditar que o instinto de uma mãe para cuidar de seus filhos sempre anulará outros desejos em seu coração. Em alguns casos, simplesmente não anula.

2. Danos físicos

É um trabalho árduo ser uma mãe solteira. Você está sozinha em uma responsabilidade de 24 horas em 7 dias, sem nenhuma pausa, sem se afastar do estresse e sem “passar o bastão”. É muito fácil frustrar-se e irar-se, especialmente quando você está exausta. Mas a Bíblia é muito clara quanto aos pais: Efésios 6.4, “E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor”. Colossenses 3.21, “Pais, não irriteis os vossos filhos, para que não fiquem desanimados”.

No momento em que você está sendo governado pela ira e pune o seu filho fisicamente, a ira rapidamente tomará conta e será despejada sobre a criança. Para conhecermos a essência da nossa ira e violência devemos examinar o nosso coração, confessar a verdade, nos arrepender e buscar a ajuda de Deus. Filipenses 4.13: “tudo posso naquele que me fortalece”, até mesmo lidar com a ira interior e acabar com a violência em nossa(s) casa(s).

3. Abuso emocional

Embora eu deseje reconhecer que tanto as mulheres como os homens em geral abusam fisicamente e são violentos com seus filhos, sugiro que quando expressamos a ira é mais provável que isso ocorra verbalmente; atacamos com nossas palavras. Mateus 15.18 lembra-nos que o que sai da boca procede do coração, e isso contamina uma pessoa. Quando eu era uma criança havia uma música infantil: “paus e pedras podem quebrar meus ossos, mas palavras nunca me machucarão!”. Isso é uma mentira. Ossos e contusões saram muito mais rápido do que o sofrimento emocional que podemos causar com palavras ditas. Lembro-me de uma vez estar sentada com uma mulher e ela me dizia que simplesmente não gostava de seus filhos e não tinha certeza de que os amava. A mãe me garantiu que não havia dito nada aos filhos, mas nunca me senti tão desolada por alguém como por aquelas crianças naquele dia. Aquelas crianças sabiam! Todas as nossas palavras e ações têm um impacto, seja gritando, seja expressando palavras maliciosas e iradas, ou dizendo-lhes que elas são muito gordas, muito magras ou muito estúpidas. Provérbios 18.2 nos lembra que a morte e a vida estão no poder da língua. Em Provérbios 16.24 aprendemos que as palavras graciosas são como um favo de mel, doçura para a alma e saúde para o corpo.

Então, como a igreja pode ajudar uma mulher que está tendo dificuldades para lidar com isso em relação aos seus filhos?

Nenhuma mãe precisa ser uma mãe solteira em uma igreja. Temos uma família da igreja, dada por Deus, que deve nos apoiar e, portanto, como igreja, temos uma responsabilidade dada por Deus de nos relacionarmos com nossa(s) irmã(s) em Cristo. Devemos lhe oferecer um descanso. Cuide das crianças, para que ela possa repousar. Faça companhia aos filhos dela e dedique tempo a eles. O pai ausente não remove a necessidade de um modelo masculino na vida das crianças. Eu desafio os homens bons e piedosos em nossas congregações a perceberem que há um papel que eles podem desempenhar. Mulheres, nós precisamos ficar ao lado daquelas que estão tendo dificuldades. Ajude-as a limparem as suas casas. Convide-as para o jantar. Proporcionem alguma folga. A lista não tem fim. Precisamos demonstrar com o que a boa e piedosa paternidade se parece. É assim que eu creio que Deus desejou que o órfão fosse cuidado. Muitas mulheres estão tendo dificuldades e muitas crianças estão carregando o fardo mais pesado.

Que Deus nos ajude a viver como corpos locais para a sua glória e alcançar os quebrantados de coração aonde quer que os encontremos.

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira.

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silva.

Original: Child Abuse, Women & The Local Church.

Hits: 948


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Sharon Dickens
Autor Sharon Dickens

Sharon é a Diretora de Operações e líder do ministério com mulheres no 20schemes. Ela tem mais de 26 anos de experiência...



20schemes
Parceiro 20schemes

20schcmes existe para edificar igrejas saudáveis centradas no evangelho para as comunidades mais pobres da Escócia. Nosso desejo de longo prazo...

Produtos Relacionados

Não há produto relacionado