• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

Uma Defesa Bíblica da Pregação Expositiva

Mike Bullmore 19 de Agosto de 2013 - Igreja e Ministério

O que é pregação expositiva? Um sermão é expositivo quando o seu conteúdo e propósito são controlados pelo conteúdo e propósito de uma passagem específica da Escritura. O pregador diz o que a passagem diz, e ele almeja que o seu sermão efetue em seus ouvintes exatamente o que Deus está buscando efetuar por meio da passagem escolhida de sua Palavra.

Pregador, imagine Deus sentado na congregação enquanto você prega. Qual seria a expressão na face dele? Ele diria: "Isso não é de modo algum o que eu queria comunicar com aquela passagem"? Ou ele diria: "Sim, era exatamente isso o que eu pretendia"?

A defesa bíblica da pregação expositiva começa com a conexão entre o dom dos pastores-mestres que Cristo deu à igreja (Ef 4.11) e a injunção bíblica para que os pastores-mestres "preguem a palavra" (2Tm 4.2). Aqueles que pregam deveriam pregar as suas Bíblias.

Talvez o melhor ponto de partida para demonstrar que é legítimo identificar a pregação da Palavra seja o livro de Atos. Em Atos, a expressão "a palavra de Deus" é um resumo comum para designar o conteúdo da pregação apostólica. Em Atos 6.2, por exemplo, os apóstolos dizem: "Não é razoável que nós abandonemos a palavra de Deus" (veja também At 12.24; 13.5, 46; 17.13; 18.11). A expressão também aparece frequentemente como "a palavra do Senhor" (8.25; 13.44; 15.35-36; e outras) e, não poucas vezes, é reduzida para "a palavra" (cf. 4.29; 8.4; 11.19). No livro de Atos, há uma clara e consistente identificação entre a pregação apostólica e a expressão "a palavra de Deus".

Ao mesmo tempo em que o conteúdo da pregação apostólica eram as boas novas de reconciliação com Deus por meio de Cristo Jesus, tal mensagem era entregue e explicada quase invariavelmente por intermédio de uma exposição da Escritura do Antigo Testamento. Assim, a pregação nos tempos do Novo Testamento envolvia a pregação da "palavra de Deus", e um componente essencial de tal pregação era a exposição do Antigo Testamento. Isso, por sua vez, nos conduz à conclusão de que as Escrituras do Antigo Testamento devem estar inclusas na nossa concepção da "palavra" a ser pregada, uma conclusão confirmada pelas reivindicações do Novo Testamento, tanto diretas (p. ex. 2Tm 3.16; Rm 3.2) como indiretas (p. ex. Rm 15.4).

Então, essa "palavra" é a palavra acerca de Jesus, tal como antecipada no Antigo Testamento e agora explicada na pregação apostólica. Essa é a palavra que é "falada" (At 4.29), "proclamada" (13.5) e que deve ser "recebida" (17.11) como "a palavra de Deus". Essa mesma identificação é mantida ao longo das cartas de Paulo. Sem hesitação, ele chama a mensagem por ele proclamada de "a palavra de Deus" (2Co 2.17; 4.2; 1Ts 2.13) ou, simplesmente, "a palavra" (Gl 6.6).

Até mesmo no contexto da incumbência dada por Paulo para que Timóteo "pregasse a palavra", há uma confirmação dessa identidade entre pregar e pregar a palavra de Deus. Timóteo teria compreendido imediatamente a que "palavra" Paulo se referia. Como a biografia de Timóteo realça, a "palavra" certamente incluía tanto as "sagradas letras" como a mensagem apostólica - "Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste" (2Tm 3.10-17).

A conclusão de tudo isso é que a "palavra" a qual devemos pregar é o corpo da verdade que consiste nas Escrituras do Antigo Testamento e no ensino apostólico acerca de Cristo - isto é, o Novo Testamento. Assim, identificar a "palavra" com as nossas Bíblias é apropriado. É isso que aqueles comissionados como "pastores-mestres" devem ensinar. O nosso trabalho é proclamar "a palavra" que Deus falou, preservada na Escritura e confiada a nós. A vida espiritual do povo de Deus depende dessa palavra (Dt 8.3). É por isso que um jovem pastor é encarregado de "dedicar-se à leitura pública da Escritura, à exortação e ao ensino" (1Tm 4.13, NVI). Se esse encargo contém algum apelo a nós hoje, e ele o contém, então a fonte da nossa pregação deve ser inteira e exatamente o que está em nossas Bíblias.

Como isso se dá na prática? Em nossa preparação do sermão, isso se dá quando tomamos passagens definidas da Palavra de Deus e as estudamos cuidadosamente, de modo a podermos "manejar bem a palavra da verdade". No púlpito, isso se dá de modo semelhante à imagem que vemos em Neemias 8.8: "Leram no livro [...] claramente, dando explicações, de maneira que entendessem o que se lia". Deus planejou e também prometeu usar esse tipo de pregação para executar um dos seus grandes propósitos - ajuntar e edificar o seu povo.

Hits: 42168


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Mike Bullmore
Autor Mike Bullmore

Mike Bullmore é pastor sênior da CrossWay Community Church em Kenosha, Wisconsin, EUA.



9Marks
Parceiro 9Marks

O Ministério 9Marks tem como objetivo encorajar as igrejas e seus líderes a cultivarem um ministério saudável, através da...