• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

A Voz da Igreja

R. C. Sproul 06 de Fevereiro de 2014 - Igreja e Ministério

Quando o Planned Parenthood [programa de planejamento familiar] adotou uma estratégia para vencer o debate sobre o aborto e estabelecer o direito legal das mulheres fazerem abortos quando quiserem, foi feita uma pergunta estratégica: “De onde virá a nossa oposição mais forte?” A organização previu que a oposição mais feroz viria da Igreja Católica Romana. Com o intuito de compensar o impacto da comunidade católica, o Planned Parenthood adotou uma estratégia para incentivar as igrejas protestantes a apoiar o direito da mulher ao aborto. Foi incentivado o uso de mantras como “o direito de escolha da mulher” e “o direito da mulher sobre o seu próprio corpo”. Outra parte da estratégia era usar o slogan “pró-escolha” ao invés de “pró-aborto”. Em outras palavras, o esforço para legalizar o aborto foi disfarçado na bandeira da liberdade pessoal.

A estratégia do Planned Parenthood foi altamente bem sucedida. Em sua maior parte, as principais igrejas liberais apoiavam a cruzada feminista em favor da “escolha”. O que foi mais angustiante foi o silêncio das igrejas evangélicas, as igrejas comprometidas com a autoridade da Bíblia e com a fé cristã. Levou muitos anos para que a igreja evangélica chegasse a um consenso sobre o mal do aborto, mas, ainda mais trágico, muitas igrejas evangélicas ainda se recusam a falar contra a destruição de bebês criados à imagem de Deus.

Vários anos atrás, eu ministrei uma série de palestras em vídeo, das quais surgiu o meu livro a respeito do aborto. Fizemos um esforço para levar esses materiais educativos às igrejas evangélicas, para ajudá-los na instrução de seus membros a respeito dessa questão ética de profunda seriedade. Fiquei triste ao receber a mesma resposta, vez após vez. Inúmeros pastores evangélicos me disseram que não poderiam usar os nossos materiais em suas igrejas, porque a questão do aborto é muito polêmica. Se eles se posicionassem contra o aborto, eles disseram que causariam divisões em suas igrejas. O quê? Divisões em suas igrejas? O que poderia ser um mal pior do que essa divisão? Eis a resposta: permanecer em silêncio sobre a questão ética mais grave que os Estados Unidos já enfrentaram.

Se for para cessar a matança de milhões de nascituros, a igreja deve se tornar novamente a igreja. Aqueles que se escondem atrás da ideia de que a igreja nunca deve falar sobre questões políticas esqueceram um princípio das Escrituras que podemos chamar de crítica profética. Pode ter sido politicamente incorreto o fato de Natã confrontar Davi sobre o seu adultério com Bate-Seba e o assassinato de Urias (2 Samuel 12:1-15a). Pode ter sido politicamente incorreto o fato de Elias enfrentar Acabe por seu confisco pecaminoso da vinha de Nabote (1 Reis 21). Pode ter sido politicamente incorreto o fato de João Batista desafiar o casamento ilícito de Herodes, o tetrarca (Mateus 14). Nesses e em outros exemplos das Sagradas Escrituras, vemos que os representantes da igreja não tentavam tornar-se o Estado, mas ofereciam uma crítica profética ao Estado—apesar das possíveis consequências. A igreja não é o Estado, mas é a consciência do Estado, e essa é uma consciência que não pode se dar ao luxo de tornar-se cauterizada e silenciosa.

O Estado é um instrumento estabelecido por Deus. E também é governado por Ele. A igreja não precisa ser o Estado, mas ela precisa lembrar o estado do seu dever dado por Deus. A principal razão para a existência de qualquer governo é manter, sustentar e proteger a santidade da vida humana. Quando o Estado não consegue fazer isso, tornou-se demonizado. E o dever sagrado da igreja e de cada cristão é dar voz de oposição a isso.

As principais estratégias da igreja evangélica para acabar com o aborto têm sido exercer pressão sobre as clínicas de aborto e os políticos eleitos. Não há nada de errado com essas estratégias; no entanto, uma estratégia que não tem sido utilizada ou amplamente adotada é a de protestar contra as igrejas que apoiam o horrível assassinato de nascituros. É hora de os cristãos fazerem críticas proféticas à igreja, especificamente àquelas igrejas que apoiam o aborto ou permanecem em silêncio a respeito desta grande questão.

Na minha cidade, uma das maiores igrejas evangélicas recebeu publicamente a defensora americana mais visada e principal voz a favor do aborto por nascimento parcial. Isso é um escândalo para a comunidade cristã. É um escândalo para a causa de Jesus Cristo. Essa igreja precisa ser chamada para prestar contas.

É hora das igrejas que enxergam o mal do aborto se posicionarem e exercerem seu direito de voto—sem se importarem com os riscos ou custos. Quando a igreja fica em silêncio em meio a um holocausto, ela deixa de ser uma igreja verdadeira. Onde quer que a dignidade humana esteja sendo atacada, é dever da Igreja e do cristão se levantar em protesto contra isso. Esta não é uma questão política, e nem é uma questão temporária. Também não é uma questão sobre a qual os cristãos podem discordar. É uma questão de vida ou morte, cujo resultado será contado para sempre.

Hits: 43029


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



R. C. Sproul
Autor R. C. Sproul

R. C. Sproul nasceu em 1939, no estado da Pensilvânia. É ministro presbiteriano, pastor da igreja St. Andrews Chapel, na Flórida. É...



Ministério Ligonier
Parceiro Ministério Ligonier

O ministério Ligonier, fundado pelo pastor R.C. Sproul, tem como objetivo principal apresentar fielmente a verdade das Escrituras, através de cursos,...