• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

O Comer e o Beber Dignamente

Iain Campbell 19 de Dezembro de 2013 - Vida Cristã

Um de nossos pregadores escoceses costumava dizer que o crente possui três visões sobre a Mesa do Senhor. Há, em primeiro lugar, uma visão retrospectiva. O sacramento da Ceia do Senhor é uma comemoração, uma celebração de um evento no passado. É um auxílio para que nos lembremos do ponto crucial e redentor da história, o ponto no qual o Filho de Deus morreu pelo seu povo. Não é uma reencenação do sacrifício, mas é um auxílio visual dramático para a fé, enquanto se olha para trás ao ponto da história em que o cordeiro sacrificial morreu por nós.

Em segundo lugar, há uma visão prospectiva no sacramento. Esse olhar é direcionado para frente com tanta certeza quanto se olha para trás. A visão prospectiva antecipa o retorno do Senhor. Ela pertence ao projeto da Ceia do Senhor, que é um arranjo temporário “até que ele venha”. A noiva de Cristo não se lembra da morte do seu noivo como uma viúva, mas como alguém que anseia pelo dia em que o noivo voltará para levá-la para casa.

No entanto, em terceiro lugar, deve haver uma visão introspectiva no sacramento. Somos chamados a olhar para dentro de nós mesmos, a fim de nos prepararmos para a Mesa do Senhor, examinando-nos. Não somos chamados para sermos auto-obsessivos, mas sim autoconscientes, e para nos colocarmos sob o escrutínio da Palavra de Deus, mesmo quando a Palavra de Deus nos convida a vir para a festa.

Em 1 Coríntios 11:27-28, o autoexame é necessário se quisermos evitar ser “réu do corpo e do sangue do Senhor”. O ser “réu” de que Paulo fala está ligado ao comer do pão ou beber do cálice “indignamente”. O autoexame é motivado por um desejo de glorificar a Deus em nossa participação no sacramento, para que possamos comer e beber "dignamente".

A “dignidade” à qual Paulo se refere é adverbial, não adjetiva. Ou seja, não descreve as pessoas que participam, mas a maneira como elas fazem isso. Somos todos, cada um de nós, indignos do amor que nos convida à Mesa do Senhor. Nós não nos examinamos para ver se somos dignos ou se fizemos alguma coisa que nos torna mais dignos, desde a última vez que participamos do sacramento. Porém, temos que examinar a nós mesmos para ter certeza de que o nosso comer e o nosso beber são dignos, de que temos um título e um direito de estar à mesa, e de que o nosso tomar do pão e do vinho é apropriado e adequado.

Para isso, precisamos perguntar para quem o sacramento foi preparado? A resposta a essa pergunta é que foi preparado para os amigos de Jesus: “Vós sois meus amigos”, disse ele aos seus discípulos, “se fazeis o que eu vos mando” (João 15:14).

Aqui está um padrão segundo o qual podemos examinar nossa adequação para compartilhar do sacramento, para comer o pão e beber o vinho. Somos amigos de Jesus? Temos coisas em comum com ele, assim como têm os amigos? Sua glória é o nosso grande interesse? Sua obra salvadora no Calvário é a nossa única esperança? Sua morte e ressurreição são a base de toda a nossa vida?

Amigos compartilham segredos uns com os outros. Seria realmente estranho se amigos nunca se falassem e nunca se comunicassem. A verdadeira amizade gosta de expressar os anseios mais profundos e os pensamentos mais íntimos. Os amigos de Jesus não são diferentes. Ele tem falado com eles em sua Palavra, revelando-lhes os desejos do seu coração. Eles respondem a ele em oração e louvor, compartilhando todos os seus interesses com ele. Com Davi, eles dizem: “Na tua presença, Senhor, estão os meus desejos todos, e a minha ansiedade não te é oculta” (Salmo 38:9).

Amigos também cuidam um do outro. Os amigos de Jesus amam proteger seu nome e sua reputação. Eles amam fazer o que é certo e obedecer aos seus mandamentos. Sua obediência e serviço não são a base de sua participação digna no sacramento, pois sabem que eles lamentavelmente deixam a desejar mesmo em suas tentativas de servi-lo. No entanto, seu comer e beber dignamente têm a ver com o desejo que eles têm em suas almas de amar Jesus mais do que já amam, e de obedecê-Lo como ele merece.

Então, eu posso vir à Mesa do Senhor sobrecarregado com o sentimento da minha indignidade, quebrado pelo sentimento do meu pecado, triste por causa da minha desobediência. Mas nenhum desses sentimentos é suficiente para me manter longe da mesa se, em meu coração, eu sei que a morte do Cordeiro Pascal é a minha única esperança, e que Jesus ainda é o meu melhor amigo.

Não conheço nada que expresse melhor isso do que a primeira parte da resposta à pergunta “Quem deve vir à mesa do Senhor?”, do Catecismo de Heidelberg, a seguir:

Aqueles que, em verdade, estão descontentes consigo mesmos por causa dos seus pecados e que, mesmo assim, confiam que eles lhes foram perdoados e que o mal que ainda resta neles está coberto pelo sofrimento e morte de Cristo, e que também desejam fortalecer a sua fé e corrigir as suas vidas, cada vez mais.

Se, ao examinarmos os nossos corações, nós também encontramos esses anseios em nossas almas, então o Anfitrião da cerimônia nos diz: “Comei e bebei, amigos; bebei fartamente, ó amados” (Cantares 5:1).

Hits: 61065


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Iain Campbell
Autor Iain Campbell

Dr. Iain D. Campbell ministra na Point Free Church, uma congregação da Free Church of Scotland, localizada na Ilha de Lewis, Escócia. Ele...



Ministério Ligonier
Parceiro Ministério Ligonier

O ministério Ligonier, fundado pelo pastor R.C. Sproul, tem como objetivo principal apresentar fielmente a verdade das Escrituras, através de cursos,...

Conteúdos Relacionados

Produtos Relacionados

Não há produto relacionado