segunda-feira, 27 de maio
ídolos

Faça morrer seus ídolos

Ninguém pode servir a dois senhores

O texto abaixo foi extraído com permissão do livro Dez mandamentos para a vida, de Jen Wilkin, Editora Fiel.


Os atuais filhos de Yahweh não são tão diferentes dos filhos de Yahweh daquela época. Como Israel, afirmamos, verbal e intelectualmente, que não existem outros deuses, mas não fazemos isso na prática. Na prática, vivemos como politeístas. Nossa idolatria é um arranjo do tipo “uma coisa e outra”: preciso de Deus e preciso de um cônjuge. Preciso de Deus e preciso de uma cintura menor. Preciso de Deus e preciso de boa saúde. Preciso de Deus e preciso de uma conta bancária bem gorda.

Em nossas mentes, racionalizamos que o tipo “uma coisa e outra” ainda oferece a Deus alguma forma ou algum grau de adoração, então deve estar tudo bem. No entanto, de acordo com Gênesis e Êxodo, deixar de adorar a Deus somente é corromper qualquer adoração oferecida a ele.

Em Mateus 6.24, Jesus nos ensina que “ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro”. Podemos pensar que a lealdade dupla é desejável, mas Jesus nos assegura que isso nem mesmo é possível. Somos criados para uma lealdade firme, determinada. Somos projetados para isso. Somos feitos à imagem de um Deus e para carregar a imagem de um Deus. Não podemos nos conformar tanto à imagem de Deus como à imagem de um ídolo.

Não fomos projetados para ser politeístas, nem podemos sustentar o peso de uma mentira de muitos deuses em nossas mentes. Quando nos apegamos a Deus e, tornamo-nos “inconstantes em todos os [nossos] caminhos” (Tg 1.8).

Muitas vezes é preciso haver uma crise para apontar nossa tolice. Nada como uma crise financeira para nos ensinar nossa adoração ao dinheiro e ao conforto além de Deus. Nada como um filho rebelde ou um divórcio para nos ensinar nossa adoração a ter uma família perfeita além de Deus. Nada como o processo de envelhecimento para nos ensinar nossa adoração à saúde e à beleza além de Deus.

É exatamente nesse ponto de crise que encontramos Jacó pronto para expulsar os ídolos domésticos. Penitente, ele acaba de encarar seus próprios fracassos. Sua filha havia sido violentada, e seus filhos haviam respondido com uma terrível vingança quando ele próprio falhara em buscar justiça. Jacó é um homem que sofre por sua confiança em si próprio e por um espírito azedado por sua própria ardileza. Ele é um homem familiarizado com a crise. Ele é um homem que, finalmente, está aprendendo a prometer lealdade a Deus somente.

Qualquer que seja a instabilidade necessária para nos conduzir ao arrependimento, a solução final para nossa prática de politeísmo é encontrada na história de Jacó: “Então, deram a Jacó todos os deuses estrangeiros que tinham em mãos e as argolas que lhes pendiam das orelhas; e Jacó os escondeu debaixo do carvalho que está junto a Siquém” (Gn 35.4).

Jacó poderia ter destruído os ídolos de qualquer maneira. Ele poderia tê-los queimado, atirado em um lago ou cortado em pedaços. Em vez disso, ele os enterra sob uma árvore conhecida como local de adoração de ídolos. Determinado a deixar o passado para trás e viver na verdade de que Deus é sua única esperança, Jacó realiza, simbolicamente, um funeral para os ídolos no mesmo lugar em que eram adorados(1). Com aguda ironia, o local para a adoração dos ídolos torna-se, simbolicamente, um cemitério para eles.

Não perca de vista a moral da história: para nos livrarmos de nossos ídolos, devemos fazê-los morrer.

 

 

Leia também os demais artigos de Jen Wilkin em nosso blog clicando aqui.

Conheça os livros de Jen Wilkin pela Editora Fiel clicando aqui.

 


(1) Bill T. Arnold, Encountering the Book of Genesis (Grand Rapids, MI: Baker, 2004), p. 137.


Autor: Jen Wilkin

É palestrante, escritora e professora de estudos bíblicos para mulheres. Ela tem organizado e liderado estudos para mulheres nos lares, na igreja e em contextos paraeclesiásticos. Jen e sua família são membros da Village Church, na região de Dallas.

Ministério: Editora Fiel

Editora Fiel
A Editora Fiel tem como missão publicar livros comprometidos com a sã doutrina bíblica, visando a edificação da igreja de fala portuguesa ao redor do mundo. Atualmente, o catálogo da Fiel possui títulos de autores clássicos da literatura reformada, como João Calvino, Charles Spurgeon, Martyn Lloyd-Jones, bem como escritores contemporâneos, como John MacArthur, R.C. Sproul e John Piper.

Veja Também

Edificadas em Cristo

Quando estivermos enraizadas no evangelho e renovarmos as nossas mentes no evangelho, seremos transformadas pelo evangelho.