• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

Grávida novamente Parte 2

Carolyn Macculey 14 de Setembro de 2017 - Vida Cristã

Este texto é parte do livro Feminilidade Radical, Carolyn Macculey

“Acho que a coisa mais difícil para mim quanto ao aborto — além do fato de ter tido um — é como ele aconteceu. Isso me persegue às vezes”, diz ela chorando com a lembrança. “Foi um processo de dois dias. Tive que chegar um dia antes para que eles pudessem inserir algo em meu colo de útero para dilatá-lo. Então tive um dia para pensar sobre o caso, mas minha cabeça estava feita. Não pensei em mudar de ideia depois que recebi a recomendação. Também não me recordo de alguém jamais me perguntar sobre as alternativas. Eles me deram alguns tipos de pílulas de antemão, e o médico tinha me falado que eu sentiria alguma dor. Não fiz muitas perguntas. Eu não queria saber.

Tive contrações antes de entrar para o procedimento. Durante o procedimento, deram-me alguma medicação intravenosa. Lá dentro era muito luminoso, e a enfermeira me manteve ocupada fazendo perguntas sobre minhas férias favoritas ou memórias positivas. Ela estava tentando me distrair do que estava acontecendo e tentando criar uma memória positiva. Havia sacudidelas e movimentos constantes. Havia algumas vezes em que o médico pegava um instrumento, e o introduzia, e fazia algo — o que significava cortar um membro ou quebrar alguma parte, porque não caberia na mangueira de sucção. Mas eu sabia que o crânio não seria tão pequeno quanto aquela mangueira — eles teriam de partir o crânio antes de tirar o bebê. É tão macabro; é simplesmente horrível. E é muito doloroso. Olhando para trás, é um trabalho de açougueiro. Mas eu queria que ele o fizesse. Então não posso culpar o médico.

Depois, senti muitas dores abdominais e sangrei muito. Eles me disseram para chamar alguém para ficar comigo ao longo da noite, porque eu poderia ter febre. Tive mais alguns dias de repouso e tomei antibióticos por cinco dias. Você chega até pensar que será algo simples, como o exame papanicolau. Leva muito mais tempo do que você imagina, e não há emoção presente por parte de nenhum dos envolvidos. Então, é comum ter um abatimento emocional posteriormente. Eu me lancei no trabalho para que não tivesse tempo de pensar. Não queria pensar se era uma pessoa real ou apenas um ovo. Eu tinha essa sensação crescente de que tinha feito algo errado, mas não queria pensar sobre isso. Acho que você pode ter uma experiência real das consequências do seu pecado, mesmo sem saber nada sobre pecado — porque isso foi o que aconteceu comigo.”

Envergonhada de seu aborto, Elke disse às pessoas que simplesmente tinha “perdido” o bebê. O namorado dela lhe trouxe comida e cuidou dela nos dois primeiros dias, mas logo se distanciou. Muitos crimes estavam acontecendo, e sua unidade policial era chamada frequentemente. Mas depois que aquilo se resolveu, ele se tornou menos e menos acessível. Eles, por fim, se separaram.

Nessa mesma época, um homem cristão no trabalho começou a aproximar-se de Elke e de outra colega do trabalho. Ele começou um estudo bíblico e as convidou para participar. Então, depois de algumas semanas, ele se ofereceu para levá-las à igreja. Elke e sua amiga começaram a frequentar e acabaram se juntando a um pequeno grupo focado em evangelismo. Semana após semana, ela ouvia a verdade sobre Jesus, o pecado, o inferno, a salvação, a igreja e muito mais numa atmosfera relacional. Ao fim desse curso, Elke se arrependeu de seus pecados e colocou sua confiança na obra salvadora de Jesus Cristo na cruz.

Como nova cristã, ela estava ansiosa para aprender sobre Jesus e a Bíblia. Em seus estudos, ela se convenceu de que seu aborto foi pecaminoso porque ele violou o mandamento de Deus de não matar. Ela também viu que Deus era o Criador da vida e Aquele que provê para todas as suas criaturas. Mesmo tendo se arrependido de seu pecado e de seu egoísmo diante de Deus, ela ainda sofreu com o sentimento de condenação e culpa. “No início, em meu grupo pequeno, lembro-me de realmente me sentir condenada. Eu continuava dizendo

‘Mas eu matei alguém!’. Senti como se não pudesse estar debaixo da mesma graça que os outros. Então o líder do meu grupo olhou para mim e disse: ‘Sabe, nós todos matamos alguém’. E naquele momento, eu finalmente entendi: foi o nosso pecado, o de todos nós, que enviou Jesus para a cruz — o meu pecado... E o de todo mundo. E ainda assim esse foi o caminho para eu ser perdoada”.

Seis anos depois, ela se casou com um homem que conheceu na igreja e engravidou de seu primeiro filho mais ou menos um ano depois. Ela estava admirada de que Deus pudesse ser tão bom com ela depois de tudo o que havia feito.

“Quando fiquei grávida, uma de minhas amigas perdeu o bebê”, Elke diz. “Pensei que era eu quem merecia aquilo — não ela. Ela não tinha feito um aborto. Meu esposo teve de me ajudar a entender que sou agora uma nova criatura em Cristo. Não sou a mesma pessoa que fez o aborto. Fui perdoada daquele pecado. Mas pelos quatro primeiros meses da gravidez, em cada fase, continuei pensando sobre como eu já tinha vivido tudo aquilo antes.”

Elke faz uma pausa, ainda massageando a barriga. “Eu posso sentir seu bumbum bem aqui”.

Ela olha para cima, com lágrimas transbordando nos olhos. “A vida é realmente um milagre”.

 

Hits: 1060


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações





Produtos Relacionados

Não há produto relacionado