quinta-feira, 7 de julho

Alegrem-se com os que se alegram, chorem com os que choram

Ouvir Artigo

Meus queridos,

2 Tessalonicenses 1.3: Irmãos, cumpre-nos dar sempre graças a Deus no tocante a vós outros, como é justo, pois a vossa fé cresce sobremaneira, e o vosso mútuo amor de uns para com os outros vai aumentando.

Que alegria foi, para mim, ver o amor de vocês uns pelos outros abundar e crescer nesta época de provação. Como a fornalha que queima a escória e deixa o metal precioso, sua piedade se evidencia, e é bela. Agora, quero convidar você a se destacar ainda mais em seu amor puro uns pelos outros.

Romanos 12.15: Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram.

Vocês estão fazendo um ótimo trabalho em chorar com aqueles que choram. Sabem o que significa participar da tristeza de seus irmãos e ajudar a carregar seus fardos, mesmo daquela maneira singularmente tranquila e canadense. Vocês não chamam a atenção para isso. Na verdade, eu só fico sabendo muito depois e, em geral, por outra pessoa: o melhor tipo de fofoca.

Quando os membros sofreram, vocês choraram com eles, enviaram mensagens e cartões cheios de esperança e empatia, entregaram refeições (MUITAS refeições!) e fizeram o melhor – oraram. Adoro ser membro de uma igreja que ora. A própria oração é uma espécie de declaração de fé. Quando oramos, na verdade estamos gastando nosso tempo buscando a Deus em favor de outra pessoa, em vez de apenas fazer todas essas coisas práticas. Ah, as coisas práticas são ótimas e importantes, mas não são as mais importantes. Parece que vocês descobriram isso.

Eu me pergunto: será que parte de nossa força para chorar com aqueles que choram vem de viver no Ocidente? Não damos falta de muita coisa e nossa vida é relativamente fácil. Será que nossa capacidade de chorar com os que choram talvez decorra, em parte, da capacidade de explorar recursos úteis para ajudar? Ou talvez sejam apenas nossas experiências com o sofrimento? Nenhum de nós passa pela vida sem problemas e provações. De qualquer forma, esta igreja faz um bom trabalho ao chorar com aqueles que choram.

Romanos 12.15: Alegrai-vos com os que se alegram…

Agora, essa segunda porção de amor autêntico me parece um pouco mais complexa. Regozijar-se com a alegria de outra pessoa parece ótimo — até que outra amiga anuncie seu noivado e você não tenha um único encontro em três anos. Quero dizer, você está realmente feliz por ela. Mas não é fácil compartilhar da alegria dela.

Imagine estar em um jogo de hóquei profissional e ganhar um brinde gratuito excelente, como um carro novo, algo que você realmente deseja. E o vencedor é anunciado: ala azul (sua cor!), seção 321 (sua seção!), fila B (sua fileira!) e, finalmente, assento 32. Mas você está no assento 33. Seu coração vibra de alegria pelo total desconhecido que tomou para si o braço da sua cadeira durante o jogo inteiro? Você transborda de alegria com o fato de que ele, não você, ganhou o carro novo?

Alegrai-vos com os que se alegram! Ele está se alegrando. Você está?

Quer dizer, se fosse um cara na ala vermelha, na seção 481, bem, essa distância provavelmente teria aliviado a decepção. Isso é exatamente o que quero dizer. Quanto mais próximas as pessoas estão de nós, mais difícil é regozijar-nos com elas.

Somos todos especialistas em ciúme e inveja. Não é interessante como não precisamos praticá-los para sermos bons nisso? Sabemos como querer o que os outros têm e como esperar com raiva que eles percam o que conseguiram, mesmo que nunca o consigamos! Nossos corações enganosos podem até se lançar ao máximo no “modo de descoberta”, procurando tudo o que podemos encontrar de errado com o “vencedor” para justificar nosso ódio, raiva e decepção.

Alegre-se com os que se alegram.

Este é realmente o âmago do amor, não é? Quando ela fica noiva, quando ele ganha o carro, o coração amoroso enxerga com olhos fartos e descobre a felicidade profunda no bem do outro. O amor requer total autoesquecimento e uma postura centrada no outro.

Romanos 12.9: O amor seja sem hipocrisia. Detestai o mal, apegando-vos ao bem.

Paulo começa sua lista de atributos do amor genuíno em Romanos 12 com uma combinação estranha. Ele diz que o amor autêntico começa com um coração que despreza ativamente o mal e se apega ao que é bom. Em outras palavras, antes de podermos demonstrar nosso amor externamente, temos que prestar atenção às afeições focalizadas em nosso coração. Para ser franco, se você estiver vendo conteúdos pornográficos, terá mais dificuldade em amar os santos. A pornografia é um mal. Deve ser totalmente rejeitada e desprezada. Você deve remover a luxúria e a imoralidade sexual de sua vida como um cirurgião lava as mãos antes de uma cirurgia.

Isso faz sentido porque Deus é amor. E todos os seus atos em direção a si mesmo fluem desse amor sem fim. Ele tanto amou o mundo que enviou seu único Filho para morrer por seu povo. Nosso Deus, autoexistente e generoso, tudo entregou. Pode-se dizer que amar é querer o melhor para o outro. Mais do que isso, é estar disposto a fazer o que for preciso para garantir o melhor para o outro.

Se nos apegarmos ao que é bom, a Deus e sua Palavra, e rejeitarmos totalmente o que é mal, o mundo, a carne e o diabo, então estaremos na postura certa para olhar para o cara sentado bem ao seu lado e dizer: Parabéns! Você ganhou o carro! E dizer isso com autêntica alegria no coração. Você poderá olhar para aquela irmã que se tornou noiva recentemente e dizer algo semelhante. Mesmo que você possa estar um pouco triste.

Provérbios 14.10: O coração conhece a sua própria amargura, e da sua alegria não participará o estranho.

Será que o nosso Senhor não conheceu tristeza na alegria de dar sua vida por nós? Deste lado do Jordão, todo amor parece trazer consigo o aroma da tristeza.

Amar realmente o outro é um exercício espiritual. Exige um enorme compromisso interior de matar todo pecado visível, resistir a toda tentação, agarrar-se a todo bem e rejeitar todo mal. Esse amor flui da morte: morte para o pecado, para o eu, para os caminhos de Satanás e para nossos próprios desejos maculados. Mas é lindo de se ver.

Quando você realmente se alegra com a irmã que está se regozijando, você declara ao mundo que existe um Deus e ele é sua satisfação final. Irmãos e irmãs, sejam abundantes neste amor! Cresçam nele. Busque esse amor. Pratique. Arrisque-se a falhar ao fazê-lo. Ore a Deus, confie em sua graça e abra bem seu coração para seus irmãos e irmãs.

Ao fazer isso, “o Deus de amor e de paz estará convosco” (2Co 13.11). E você aprenderá por experiência que é realmente melhor dar do que receber.

2 Coríntios 13.14: A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.

Amém.

Com muito amor, Pastor Paul.

Publicado originalmente em 9 Marks.

Tradução: João Costa. Revisão: Renan A. Monteiro.


Autor: Paul Martin

Paul Martin é pastor da Grace Fellowship Church em Toronto, Ontário.

Parceiro: 9Marks

9Marks
O ministério 9Marks tem como objetivo equipar a igreja e seus líderes com conteúdo bíblico que apoie seu ministério.

Ministério: Ministério Fiel

Ministério Fiel
Ministério Fiel: Apoiando a Igreja de Deus.

Veja Também

Associe-se aos humildes

Quem são os humildes? Aqueles que não têm outra opção senão Jesus. Será que temos acolhido os que mais precisam?