domingo, 17 de novembro
Home / Artigos / Colocando-o no seu devido lugar

Colocando-o no seu devido lugar

Eu estava examinando alguns vestidos em um mostruário, quando percebi uma discussão ao meu lado. Uma adolescente segurava uma mini-saia à sua cintura; e sua mãe balançava a cabeça, mostrando-se indecisa.

“Lynn, você sabe o que seu pai pensa sobre essas saias curtas” — disse sua mãe.

“Eu não me importo”, replicou a adolescente. “Ele nunca saberá, se você não me denunciar. Lembre-se de todas as vezes que guardei segredos para você. Além disso, você apoiou Bill, quando ele resolveu deixar o cabelo crescer”.

De repente, por instinto de comparação, veio à minha mente a visita que eu havia feito na tarde anterior. Eu estivera no lar de Katrine, uma nova aluna em minha classe de Escola Dominical, cujos pais haviam emigrado ao nosso país há apenas cinco anos.
A mãe de Katrine era uma pessoa calorosa e amável. Sua própria casa irradiava hospitalidade. No entanto, o que mais me impressionou foi a sua constante referência ao seu esposo. Sempre que havia uma pausa na conversa, um garoto de quatro anos perguntava: “Está quase na hora de papai chegar?”

Mais tarde, os outros filhos chegaram da escola, cumprimentaram-me educadamente e encaminharam-se às suas tarefas.

“Vou fazer aqueles bolinhos favoritos do papai, para o jantar”, disse a filha mais velha, dirigindo-se à cozinha.

Quando me levantei para sair, Katrine perguntou, com ansiedade: “A senhora não poderia esperar apenas um momentinho, para conhecer o papai?”

A essa altura, eu já estava curiosa sobre aquele homem notável, que fazia jus a tal amor e respeito de toda a sua família. Eu realmente não precisava do segundo convite da dona da casa: “Sim, assente-se por um momento, até que Lawrence chegue”.

Quase tive um grande choque, ao conhecer Lawrence. Ao invés de um homem bem vestido e de conversa brilhante, foi um homenzinho quem cumprimentou “a professora de sua pequena Katrine”, falando de maneira imperfeita, com sotaque de seu idioma nativo, e torcendo nervosamente o bigode.

O dia todo, estive pensando sobre o mistério da posição daquele homem em seu lar. Agora, porém, ouvindo sem querer a conversa ao meu lado, surgiu a resposta. Não importa quem ou o que o pai pessoalmente é, a atitude da mãe para com ele é o que faz a diferença.

Os esposos podem assumir o lugar que lhes compete como cabeça do lar, somente quando nós, esposas, respeitamos e honramos os seus desejos, transmitindo aos nossos filhos, por meio desta atitude, o desejo de agirem de maneira semelhante.

As esposas estabelecem o exemplo de atitudes de submissão. E receberemos a obediência que exigimos de nossos filhos na proporção exata à que prestamos a nosso esposo.
“Eu tenho que fazer isso agora?” — resmungou meu filhinho, quando lhe pedi que deixasse os brinquedos para levar um recado a certa pessoa.

De alguma maneira, aquelas palavras pareceram familiares. Então, eu me lembrei: na noite anterior, quando meu esposo me pediu que fizesse algo para ele, eu queixei: “Isso precisa ser feito agora?”

O livro de Provérbios nos diz: “No caminho da sabedoria, te ensinei e pelas veredas da retidão te fiz andar” (Provérbios 4.11). Eu me esforço para ensinar a meu filho uma obediência estimulante, porém o meu ensino e treinamento serão eficazes apenas quando eu demonstrar-lhe por meio do exemplo. Podemos dizer que o papai é o chefe, mas, em nosso coração, sabemos que isso não é verdade, pois, se houver conflito de opiniões, geralmente fazemos o que nos agrada. Os filhos observam rapidamente a diferença entre atitudes confessadas e atos praticados.

Alguns dias atrás, quando tomávamos o café das mulheres da vizinhança, a anfitriã nos mostrou, sorrindo, um pequeno quadro alegremente decorado, que estava sobre a escrivaninha de seu marido. “Vejam o que comprei ontem”, disse ela. Todas paramos para ler:

“As opiniões do homem da casa não são necessariamente as do gerente”. “Acho que isso coloca Phill em seu devido lugar”, disse Marian, com uma risadinha.

Mas Ann discordou, afirmando: “Deus nos diz: ‘Mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor; porque o marido é o cabeça da mulher’” (Efésios 5.22-23). Imediatamente, o sorriso desapareceu. O assunto mudou, e eu pude sentir o embaraço. Pensávamos que aqueles versículos da epístola aos Efésios não se dirigiam a nós, que hoje vivemos em uma sociedade tão instável!

Estas palavras de Efésios 5 nunca foram fáceis de serem obedecidas. No século XVII, o pastor Byfield disse a respeito das esposas: “A natureza as fez mulheres; a eleição, esposas; mas somente a graça de Deus pode torná-las submissas”. No entanto, uma das coisas mais importantes que a mulher pode fazer, por sua família e seu país, é dar a seu esposo o lugar correto — o lugar de cabeça do seu lar.

Um pastor estava aconselhando dois jovens que se preparavam para o casamento. Ele indagou se os jovens tinham alguma pergunta. A noiva questionou: “Por que a palavra ‘obedecer’ não está nos votos de casamento?”
“As noivas modernas preferem que essa palavra seja deixada de fora dos votos”, respondeu surpreso o pastor.

A moça ficou admirada. “Senhor, durante toda a minha vida, tenho observado minha mãe obedecer alegremente a meu pai”, ela disse. “Ele era um homem contente e feliz; eu, uma filha satisfeita. Eu quero esse tipo de lar. Quero a palavra ‘obedecer’ trazida de volta à minha cerimônia de casamento.”

Atualmente, nos admiramos da rebeldia dos filhos em muitos lares. Todavia, parte da resposta parece estar nos lares em que as verdades fundamentais da Bíblia têm sido desprezadas. A disciplina e a obediência precisam ser infundidas nos filhos desde a mais tenra idade. Se menosprezarmos a Palavra de Deus, quanto a este princípio tão significativo, a freqüência assídua à igreja e a leitura constante da Bíblia não terão realmente qualquer proveito. Nossos filhos não têm apenas de receber ordens — precisamos mostrar-lhes como obedecer, pois o exemplo é o âmago do ensino. Mães, que imensa responsabilidade temos sobre os nossos ombros!

Se meu esposo for respeitado e amado por mim, meus filhos terão este mesmo sentimento para com ele. Se meus filhos observarem que as palavras do papai e sua vontade são valiosas para mim, não deixarão de ser impressionados e influenciados. Nossos filhos precisam de um herói. Que tal se este herói for o papai? Saber que ele é a pessoa mais importante da vida do seu filho é um estímulo imensurável para qualquer pai. Ele fará tudo que estiver em seu poder para viver de acordo com o que seu filho acredita que ele é. Ora, é a atitude da mamãe que pode tornar o papai um herói. O filho precisa de experiência, antes de aprender melhor certas coisas. Ele não pode ser ensinado verbalmente sobre o lugar do pai na família; temos de mostrar-lhe os resultados práticos desta verdade.

Depois que descobri esta verdade, meu filho David passou a esperar com ansiedade a volta de seu pai ao lar, todas as tardes. Isto é o clímax do seu dia — e do meu. Desde a manhã começamos a falar sobre as coisas que desejamos contar ao papai. Colocamos o jornal sobre a cadeira dele; preparamos uma comida que ele aprecia, para o jantar; guardamos os brinquedos que estavam na sala, de modo que a casa lhe pareça agradável. Todas estas coisas ensinam a David que seu pai é importante e que, por amá-lo, gastamos uma parte de nossos dias procurando agradá-lo.

O homem que possui o privilégio de ter uma esposa que lhe é amavelmente submissa, e que cria no lar uma atmosfera livre de amargura e críticas injustas, enfrentará as lutas da vida sem abalar-se indevidamente. Ele sentirá paz interior. É improvável que ele seja atingido por problemas nervosos, pois ele tem um lugar onde as tempestades e os mal-entendidos do mundo exterior podem ser esquecidos. Seu futuro talvez seja incerto; mas o homem que é a pessoa mais importante do seu próprio lar está preparado para enfrentar o mundo.

Há vários séculos, William Shakespeare percebeu a importância do papel que a mulher desempenha em relação a seu marido. Ele escreveu:
“Teu marido é teu senhor, tua vida, teu protetor, tua cabeça, teu soberano; é alguém que cuida de ti e da tua manutenção! Ele entrega seu corpo ao trabalho árduo, na terra ou no mar; vigia à noite, em meio às tempestades, e durante o dia, em meio ao frio, enquanto tu permaneces aquecida no lar, tranqüila e sadia. Ele não almeja qualquer outro tributo, exceto o amor, olhares amáveis e verdadeira obediência — um pagamento irrisório para tão grande dívida. O dever que um súdito tem para com seu rei, esse mesmo dever a mulher tem para com seu marido”.

Talvez o meu esposo não possua talentos que o mundo aplaudiria. Mas ele é singular no fato de que é uma dádiva de Deus para mim. O esposo tem de ser recebido e amado por aquilo que ele é em si mesmo. Precisamos deixar de lamentar aquilo que nosso esposo não é, enfatizando mais as virtudes que ele possui. Em obediência a Deus, devemos amar, honrar, obedecer e estimular nosso esposo, colocando-o no seu devido lugar — o cabeça do lar.


Autor: Alice Patricia Hershey

Ministério: Ministério Fiel

Ministério Fiel
Ministério Fiel: Apoiando a Igreja de Deus.

Veja Também

Por que um pastor deveria ficar muito tempo em uma igreja?

Pastores, permaneçam firmes nas coisas que vocês sabem ser verdadeiras e corretas.