domingo, 18 de agosto
Home / Artigos / Posso ter segurança sem alegria?

Posso ter segurança sem alegria?

Fé Confusa: Você coloca muita ênfase nas novas afeições espirituais das pessoas que nascem de novo. De fato, até onde posso ver, você as considera essenciais para a salvação, não periféricas. Isso não torna a experiência da segurança cristã mais difícil?

Cristão Hedonista: Mais difícil do que o que?

Fé Confusa: Bem, eu sempre pensei que a fé em Jesus, em vez de novas afeições espirituais, seria a maneira como nos tornamos cristãos. Isso não tornaria a garantia menos difícil?

Cristão Hedonista: Não. Eu não penso assim.

Fé Confusa: Por que não? Parece-me que tratar as afeições espirituais como essenciais para ser um verdadeiro cristão cria instabilidade, porque essas afeições têm altos e baixos. Às vezes parece que elas nem estão lá.

Cristão Hedonista: Isso é verdade. Elas têm altos e baixos. Às vezes, nossa gratidão a Deus, o prazer que temos em conhecer a Jesus e a intensidade de nossa valorização são fracos. Mas aqui está o problema: às vezes nossa fé é fraca também.

Fé Confusa: Não penso na fé dessa maneira. Eu penso nisso como algo constante – ou você tem ou não tem.

Cristão Hedonista: Bem, se você quer dizer por constante que você tem ou não, isso é verdade. Os crentes genuínos não se tornam incrédulos e se tornam crentes novamente. Você não se torna salvo e não salvo por várias vezes. A fé salvadora nunca é definitivamente destruída. Romanos 8.30 é bem claro sobre isso. Mas você acha que a fé não tem altos e baixos – não há variações como uma fé forte e uma fé fraca?

Fé Confusa: Não tenho certeza. Suponho que penso em fé salvadora como algo que você tem ou não, e as variações como outra coisa.

Cristão Hedonista: Hmm. Outra coisa? Como outro tipo de fé?

Fé Confusa: Suponho. Eu não sei. Eu não pensei muito sobre os altos e baixos da fé. Não há diferentes tipos de fé?

Cristão Hedonista: Bem, há o dom espiritual da fé mencionado em 1Coríntios 12.9 juntamente com dons de sabedoria, conhecimento, curas e milagres. Esse tipo de fé é algo que nem todos os cristãos têm o tempo todo. É dado para um propósito específico e, em seguida, pode não ser dado por um tempo.

Fé Confusa: Certo. Mas eu não estava pensando nisso. Não é isso que eu teria em mente se pensasse na fé com altos e baixos.

Cristão Hedonista: certo. Nem eu.

Fé Confusa: Eu apenas quis dizer que eu penso na fé salvadora como fixa e invariável, e então há essa outra experiência de fé – como confiar em promessas específicas. Talvez esse seja o tipo de fé que pode ser alta ou baixa, fraca ou forte.

Cristão Hedonista: Eu não acho que você vai encontrar essa distinção no Novo Testamento – fé salvadora versus a fé que confia nas promessas de Deus.

Fé Confusa: Verdade? Então você acha que a fé salvadora tem altos e baixos? Às vezes é forte e às vezes fraco?

Cristão Hedonista: Sim.

Fé Confusa: Para onde você iria no Novo Testamento para apoiar isso?

Cristão Hedonista: Na verdade, minha primeira resposta é que eu acho que o ônus da prova está com aquele que diz que acreditar nas promessas de Deus e crer em Jesus para a salvação são dois tipos diferentes de fé. Isso é o que precisaria ser provado, parece-me. Parece óbvio para mim que confiar em Jesus significa confiar no que ele diz. E se você não confia no que ele diz, você não confia nele.

Fé Confusa: Eu ainda gostaria de ver isso na Bíblia.

Cristão Hedonista: certo. Eu também. Então eu iria para os textos que apontam para as variações da fé, e ver o que eles estão falando.

Fé Confusa: Como?

Cristão Hedonista: Parece-me que o Novo Testamento aponta para a variabilidade da fé em pelo menos quatro maneiras.

  1. Primeiro, há uma referência à fé crescente: “Vossa fé cresce sobremaneira” (2 Tessalonicenses 1.3).
  2. Em segundo lugar, há uma referência à pouca e muita fé: “Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé”. (Mateus 6.30). “Ó mulher, grande é a tua fé”! (Mateus 15.28).
  3. Terceiro, há uma referência a diferentes medidas de fé: cada cristão deve pensar em si mesmo “segundo a medida de fé que Deus repartiu a cada um” (Romanos 12:.3).
  4. E em quarto lugar, há uma referência à fé fraca e forte: Abraão “sem enfraquecer na fé, embora levasse em conta o seu próprio corpo amortecido, . . ., mas, pela fé, se fortaleceu, dando glória a Deus”. (Romanos 4. 19–20).

Fé Confusa: E você está dizendo que tudo isso se refere à fé salvadora?

Cristão Hedonista: Sim. Quando Paulo celebra a fé dos tessalonicenses dizendo: “Vossa fé cresce sobremaneira”, ele não cria uma categoria especial de fé para que possa haver duas categorias – uma estática e outra que cresce. E quando Paulo diz que Abraão se fortaleceu pela sua fé, ele segue dizendo que ele estava “plenamente convicto de que ele era poderoso para cumprir o que prometera”. E “Pelo que isso lhe foi também imputado para justiça”. (Romanos 4. 21-22). Então isso é fé justificadora! Fé salvadora. E, Paulo sugere que pode ela pode ser mais fraca ou mais forte.

Fé Confusa: Tudo bem. Mas isso seria encorajador? Ajudaria na minha certeza de salvação?

Cristão Hedonista: Bem, isso é o que é. Nós não decidimos o que um texto significa consideramos se ele é ou não encorajador. Nós olhamos o que ele significa, e então, porque sabemos que Deus é bom, tentamos entender como usar sua palavra para nos tornarmos cristãos mais fortes.

Fé Confusa: Isso inclui uma certeza mais forte?

Cristão Hedonista: Absolutamente. Nosso Pai Celestial não está ansioso para manter seus filhos instáveis, imaginando se estão ou não na família. Ele quer que tenhamos certeza. Mas em seus termos, não os que nós inventamos.

Fé Confusa: Então, como os altos e baixos da fé salvadora se ajustam à segurança?

Cristão Hedonista: A principal coisa a ter em mente é que nossa justificação não tem altos e baixos. Nossa união com Cristo não varia nem um pouco. Existe uma diferença qualitativa e infinita entre a nova vida em Cristo e nenhuma vida em Cristo. Vida é vida. Você não está mais vivo ou quase morto. Você está absolutamente vivo ou absolutamente morto. Assim é com a união com Cristo, justificação, adoção e perseverança. Esse é o ponto de Romanos 8.30: “E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou”.

Fé Confusa: Então, seu ponto é, penso eu, que não estou menos unido a Cristo, menos justificado e menos adotado se minha fé for fraca e pequena do que se minha fé for forte e poderosa?

Cristão Hedonista: Exatamente. E o mesmo acontece quando digo que as afeições espirituais são marcas essenciais daqueles que estão unidos a Cristo, justificados e adotados.

Fé Confusa: Então, estamos de volta onde começamos?

Cristão Hedonista: Sim. A questão que temos tentado responder é se fazer com que os afetos espirituais sejam aspectos essenciais da salvação (não opcionais) desestabiliza nossa segurança. Sua principal objeção, penso eu, era que essas afeições são variáveis ​​- às vezes fortes e às vezes fracas. Então, isso faria nossa garantia de salvação subir e descer.

Fé Confusa: Certo. E pensei que poderíamos evitar essa variação dizendo que a fé é a chave para a certeza, não as afeições. E você mostrou que isso não evita o problema, já que nossa experiência de fé é variável, assim como nossa experiência das afeições.

Cristão Hedonista: Sim. E uma das razões pelas quais a variabilidade da fé não é igual à variação da salvação é que a união com Cristo, a justificação e adoção não são uma questão de graus: estamos totalmente dentro ou totalmente fora. E qualquer grau de fé verdadeira em Cristo faz a diferença – até mesmo a de um grão de mostarda.

Fé Confusa: Então você está dizendo que, ainda que a fé salvadora tenha altos e baixos como nossas afeições espirituais, a batalha pela certeza não é mais ameaçada por nossas afeições variáveis ​​por Jesus do que por nossa fé variável.

Cristão Hedonista: certo. Na verdade, acho que é a mesma batalha.

Fé Confusa: Sério? Então você acha que as afeições espirituais são essenciais para a salvação da mesma forma como a fé é, por que a fé salvadora e as afeições espirituais são a mesma coisa?

Cristão Hedonista: Não. Eu não disse que elas são a mesma coisa. Mas eu acho que as afeições espirituais são essenciais para o que a fé salvadora é.

Fé Confusa: Não sei o que você quer dizer.

Cristão Hedonista: Eu acho que, para a confiança em Jesus ser autêntica confiança, tem que envolver afeições espirituais por Jesus. Por exemplo, acho que a confiança tem que ser uma confiança de agradecimento, uma confiança de admiração, uma confiança valiosa e uma confiança de prazer. Em outras palavras, se você disser que tem confiança em Jesus, mas não sente Jesus como a pessoa mais desejável, admirável, valiosa e agradável de sua vida, deve questionar se tem a verdadeira fé salvadora.

Fé Confusa: Eu não sei se já ouvi alguém dizer isso.

Cristão Hedonista: E quanto a Jesus? Eu não acho que Jesus estava ensinando algo diferente da justificação pela fé quando ele disse: “Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim”; (Mateus 10. 37). E note que esse amor por Jesus que devemos ter é o que você sente pelos seus mais preciosos membros da família.

Fé Confusa: Então você está dizendo que o amor faz parte do que a fé é?

Cristão Hedonista: Tenha cuidado. Não estou dizendo que o amor pelas pessoas é parte do que é fé. Isso é um fruto da fé. Paulo diz: “o intuito da presente admoestação visa ao amor [pelas pessoas] que procede … de fé sem hipocrisia”. (1Timóteo 1. 5). Mas sim, estou dizendo que o amor por Jesus é parte do que é fé.

Fé Confusa: Alguém mais diz isso?

Cristão Hedonista: Sim. Por exemplo, Jonathan Edwards disse: “O amor é a coisa principal na fé salvadora, a vida e poder dela, pelo qual produz seus grandes efeitos” (Writings on the Trinity, Grace, and Faith, 448).

Fé Confusa: Eu deveria saber que foi Edwards.

Cristão Hedonista: Na verdade, ele faz parte de uma tradição gloriosa de pastores e mestres que passam as palavras da Escritura para a complexa realidade da experiência humana criada pelo Espírito por trás delas.

Fé Confusa: Vou ter que pensar mais sobre isso. Mas deixe-me ver se posso repetir o que estou ouvindo. Você está dizendo que a certeza tem altos e baixos com a fé mais forte e mais fraca, tanto quanto com afetos mais fortes e mais fracos. E a razão é que as afeições espirituais são parte do que é a fé salvadora. E assim, quando as Escrituras nos dizem para buscar plena certeza, eles estão nos chamando para lutar pela crescente fé em Deus e por aumentar as afeições por Deus. Porque são a mesma luta.

Cristão Hedonista: Estou feliz com isso.

Fé Confusa: Se eu quiser ler mais sobre isso, você tem alguma sugestão?

Cristão Hedonista: Eu sugeriria um mergulho mais profundo na afirmação de Edwards de que a principal coisa na fé salvadora é o amor, e um artigo chamado “O Problema Agonizante da Garantia da Salvação”. Talvez possamos conversar novamente.

 

Tradução: Paulo Reiss Junior.
Revisão: Filipe Castelo Branco.
Fonte: Can I Have Assurance Without Joy?


Autor: John Piper

John Piper é um dos ministros e autores cristãos mais proeminentes e atuantes dos dias atuais, atingindo com suas publicações e mensagens milhões de pessoas em todo o mundo. Ele exerce seu ministério pastoral na Bethlehem Baptist Church, em Minneapolis, MN, nos EUA desde 1980.

Parceiro: Desiring God

Desiring God
Ministério de ensino de John Piper que, há mais de 30 anos, supre ao corpo de Cristo com livros, sermões, artigos.

Ministério: Ministério Fiel

Ministério Fiel
Ministério Fiel: Apoiando a Igreja de Deus.

Veja Também

Obedeça a Deus com a sua criatividade: O dever cristão da imaginação

A imaginação pode ser o trabalho mais difícil da mente humana. E talvez o mais divino.