• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

Entendendo as causas da Reforma Protestante

Nicholas Needham 31 de Julho de 2017 - História da Igreja

Algumas pessoas consideram a Reforma Protestante como uma restauração milagrosa do Cristianismo apostólico que Deus fez ocorrer na história diretamente do céu. Esse ponto de vista já dominou particularmente a mentalidade protestante americana. Contudo, essa visão foi desafiada de modo eficaz em meados do século dezenove por dois gigantes do pensamento histórico-teológico, John Williamson Nevin e Philip Schaff, do seminário Mercersburg, na Pensilvânia. Desde então, não houve retorno algum para a visão mais antiga. Embora seja verdade que Deus agiu poderosamente no século dezesseis, ele não o fez sem a história ou causas humanas (A propósito, a obra em oito volumes “A história da igreja cristã”, de Schaff, ainda é uma obra-prima digna da nossa afeição e atenção).

A influência do renascimento

Em muitos aspectos, a Reforma foi o lado espiritual do renascimento. Os pensadores renascentistas no século quinze reagiram contra grandes influências da cultura medieval, solicitando um retorno à cultura mais antiga e, criam, mais saudável encontrada nas clássicas Grécia e Roma. Seu moto bem conhecido era ad fontes – “às fontes”. Para alguns, isso incluía a rejeição de quase toda a teologia e espiritualidade medievais e o retorno às fontes originais do Cristianismo, ou seja, à Bíblia e aos pais da igreja primitiva. Os pais eram vistos como melhores intérpretes do evangelho do que os teólogos escolásticos medievais.

Esse retorno à Bíblia e aos pais foi mais poderosamente visto na vida e obra de Erasmo. Ele é bem conhecido por sua devoção acadêmica ao Novo Testamento grego, pelo qual ele avaliou e encontrou falha na Vulgata Latina, a Bíblia oficial da igreja medieval ocidental. (Os apóstolos escreveram o Novo Testamento em grego). A redescoberta renascentista do grego, juntamente com o ad fontes dirigido para as fontes do Cristianismo, resultou na edição impressa de Erasmo do Novo Testamento grego, em 1516. Essa foi uma ponte através da qual muitos estudantes foram guiados do renascimento para a Reforma. Vemos esse fato nas duas primeiras das noventa e cinco teses de Martinho Lutero:

Quando nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo disse: “Arrependei-vos”, ele quis dizer que toda a vida dos crentes deveria ser uma vida de arrependimento. A palavra não pode ser entendida como referindo-se ao sacramento da penitência — ou seja, confissão e satisfação — como administrado pelos sacerdotes.

Aqui, Lutero apela à palavra grega para “arrependimento”, a qual, devido à tradução da Vulgata latina poenitentiam agite, “fazer penitência”, anteriormente era entendida como referindo-se ao sacramento da penitência.

A devoção de Erasmo ao Novo Testamento grego é bem conhecida. É talvez menos conhecido que ele era quase tão dedicado, tanto nos caminhos eruditos quanto nos espirituais, aos pais da igreja primitiva. Ele editou e reimprimiu muitos escritos dos pais, convidando os leitores a encontrarem neles um Cristianismo mais puro do que o que estava disponível nas fontes medievais. O próprio modelo de Erasmo foi o grande Jerônimo: o erudito celibatário que consagrou os seus dons intelectuais para promover a causa da verdadeira fé.

O conhecimento maior e mais exato dos pais da igreja primitiva promovido por Erasmo levou muitos a questionarem o Cristianismo daquela época. O Cristianismo do século dezesseis era a fé que se expressara nos grandes credos da igreja, incluindo o Credo dos Apóstolos, o Credo Niceno e a Definição de Calcedônia?

Nessa defesa renascentista dos pais como os melhores intérpretes do evangelho, um pai em particular pareceu muito eminente: Agostinho. Em parte, isso foi simplesmente porque Agostinho se elevava sobre todos os outros pais na igreja ocidental devido à sua genialidade teológica, influência formativa e autoria prolífica. Porém, muitos encontraram alimento para as suas almas nos escritos devocionais e doutrinários de Agostinho. Martinho Lutero e Ulrico Zuínglio se tornaram discípulos de Agostinho de todo o coração, aderindo notavelmente à sua compreensão da soberania da graça divina. Uma geração depois, João Calvino disse que ficaria feliz em ter a sua fé expressa inteiramente de acordo com os ensinamentos de Agostinho. Aqui, então, há outra maneira muito específica em que a renascença fluiu para a Reforma. Ao criar um novo espaço para Agostinho, a renascença alimentou o “movimento de renovação” agostiniano que estava próximo do coração da Reforma.

Erasmo também alimentou o fogo da reforma. Seu desagrado com os desvios do catolicismo romano medieval, articulado frequentemente em sátiras devastadoras, ajudou a criar na mente das pessoas uma prontidão para remédios drásticos. Seu “Elogio da loucura” é geralmente considerado como o exemplo supremo de escritos de Erasmo nesse gênero. Para mim, muito mais cômico é o seu “Júlio excluído do céu”, no qual a alma do Papa Júlio II (1503-1513) chega às portas do céu, apenas para descobrir que São Pedro não o reconhece e nega-lhe a entrada, pelo que Júlio ameaça excomungar o apóstolo.

De modo mais positivo, Erasmo estabeleceu um programa de reforma para a sociedade, que envolvia a centralidade da educação, o conhecimento do grego, o estudo da Bíblia e uma espiritualidade que se concentrava na fé do coração, e não em um mero ritual exterior. Muitas vezes, descobrimos que os reformadores protestantes em toda a Europa estavam mergulhados nesses ideais erasmianos. Eles acrescentaram uma dimensão teológica que estava ausente no programa de Erasmo (como uma doutrina agostiniana da graça), mas os dois aspectos — erasmianismo e agostinianismo — provaram ser poderosamente compatíveis. Em alguns casos, podemos até mesmo detectar a influência direta dos ideais e escritos positivos de Erasmo ao estabelecer alguém no caminho reformista, especialmente Zuínglio, que sempre alegou que devia a sua conversão a um poema religioso de Erasmo:

Em 1514 ou 1515, eu li um poema sobre o Senhor Jesus, escrito pelo profundamente erudito Erasmo de Roterdã, no qual com diversas palavras muito belas Jesus se queixa que as pessoas não buscam todas as bênçãos nele, de modo que seja para eles uma fonte de toda bênção, um Salvador, um consolo, um tesouro da alma. Então, eu pensei: “Bem, se isso é verdade, por que então devemos buscar ajuda em qualquer ser criado?”

A imprensa

Tão importante para a Reforma quanto o renascimento foi a nova e revolucionária maneira de disseminar informação pela prensa de tipo móvel. Talvez uma das razões básicas pelas quais os movimentos anteriores de reforma evangélica não captaram a mente pública (como os valdenses, lolardos e hussitas) foi que eles entraram em cena antes que a imprensa fosse inventada.

Numa Europa dominada pelo sistema católico romano, a difusão intelectual de novas ideias “não oficiais” era muito mais difícil antes da introdução da prensa de tipo móvel.

A invenção da prensa de tipo móvel foi a revolução da informação do final da Idade Média. Johannes Gutenberg de Mainz, Alemanha, foi o grande pioneiro na década de 1450. Em 1500, mais de duzentas prensas estavam produzindo livros em toda a Europa. Estavam distantes os dias em que os escribas (geralmente monges) precisavam copiar obras literárias à mão. Pela primeira vez, um editor poderia fazer milhares de cópias de um livro de modo fácil e rápido, e colocá-las em grande circulação. Isso significava que as ideias poderiam se disseminar muito mais velozmente do que antes. Significava também que a capacidade de ler se tornava mais valorizada.

Como resultado, as ideias reformadoras do renascimento puderam se espalhar pela Europa com relativa facilidade, e em seu rastro, as ideias ainda mais radicalmente reformadoras de Lutero, Zuínglio e outros. Podemos dizer que a impressa permitiu que a Reforma “se tornasse viral” de uma maneira que simplesmente não seria possível em uma época anterior. A nova tecnologia da informação se tornou um dom de Deus para o seu povo.

Podemos discernir a sintonia entre a revolução gráfica e a propagação da Reforma em um único fato: foram as cidades e universidades que primeiramente abraçaram a Reforma. Na Inglaterra, por exemplo, Londres tornou-se rapidamente o berço nacional do protestantismo. Lá estavam as grandes imprensas. Lá também havia um porto próspero onde os navios mercantes podiam trazer literatura protestante da Europa Continental.

Percebemos um fenômeno semelhante se considerarmos a Suíça do século dezesseis. A Confederação Suíça era composta por treze estados-membros, chamados de cantões. Quatro desses eram cantões urbanos: Zurique, Basileia, Berna e Schaffhausen. Os outros nove eram cantões agrícolas compostos por fazendas e vilarejos, dominados por cinco cantões florestais centrais. É um mero acidente da história que a Reforma foi vitoriosa em todos os quatro cantões urbanos, enquanto os cantões florestais permaneceram como fortalezas do catolicismo romano? As cidades, com seus centros de ensino superior e suas indústrias gráficas, eram os lugares ideais para o pensamento da Reforma ser disseminado.

De forma semelhante, na Alemanha, a maioria das cidades imperiais livres (cidades auto-governadas sem maior fidelidade senão ao santo imperador romano) se tornou protestante. Essa não foi uma mudança política superficial, como o imperador Carlos V descobriu a seu custo quando tentou reimpor o catolicismo nas cidades pela força armada no fim dos anos 1540. O povo das cidades alemãs permaneceu desafiadoramente protestante. A espada poderia conquistar seus territórios, mas não as suas almas. Carlos finalmente teve que admitir a derrota e se retirar.

Reformadores menos conhecidos

Devemos também colocar Lutero e Zuínglio no seu contexto como figuras notáveis, mas não isoladas da Reforma Protestante. Lutero seria apenas metade do homem que foi sem Filipe Melanchthon. Foi Melanchthon, e não Lutero, quem proveu os conhecimentos linguísticos da Reforma alemã. Seu conhecimento do grego era um fenômeno, e pode muito bem ter sido Melanchthon quem primeiro viu e insistiu que, no Novo Testamento, a palavra grega para “justificar” significa “declarar justo”, em um sentido judicial, em vez de “tornar justo”, em um sentido de santificação. Essa tornou-se a pedra angular da doutrina da justificação pela fé. Foi certamente Melanchthon quem escreveu a Confissão de Augsburgo, que se tornou o padrão internacional luterano de doutrina. Lutero era bem consciente da sua dívida com Melanchton como seu cooperador mais íntimo:

Eu sou rude, turbulento e tempestuoso, nascido para lutar contra exércitos de demônios e bestas. Meu trabalho é arrancar tocos e pedras, cortar cardos e espinhos, limpar florestas selvagens. Depois, vem o Mestre Filipe, gentil e suavemente, semeando e regando com alegria, de acordo com os dons que Deus tão amplamente lhe concedeu.

Outros cooperadores de Lutero incluíam Johannes Bugenhagen, que desempenhou um papel fundamental na reforma da igreja na Dinamarca; Justus Jonas, que deixou sua marca como um escritor de hinos; Nicolaus von Amsdorf, um teólogo escolástico profissional que abraçou a Reforma; e vários outros bem conhecidos em seu próprio tempo, embora eclipsados agora na sombra de Lutero. Grande como ele era, Martinho Lutero não estava sozinho.

Nem Zuínglio. Ele foi habilmente assistido por homens como Leo Jud, Oswald Myconius e Johannes Oecolampadius. Após a morte precoce de Zuínglio em 1531, ele foi sucedido pelo brilhante Heinrich Bullinger, que se tornou o “grande velho” da Reforma, morrendo em 1575.

Outras partes da Europa tiveram os seus próprios grandes reformadores. Martin Bucer em Estrasburgo (agora na França, mas na época na Alemanha) tentou combinar o que havia de melhor na Reforma de Lutero com o que era melhor em Zuínglio. O resultado provou ser altamente atraente para um certo jovem francês chamado João Calvino que, como reformador de segunda geração, foi um discípulo de Bucer. Hoje, podemos discutir quem é um calvinista genuíno, mas o próprio Calvino não era nada, senão um verdadeiro buceriano.

Na Dinamarca, temos Hans Tausen, o “Lutero dinamarquês”, cuja pregação difundiu o evangelho como um incêndio de 1524 em diante. Na Suécia, os irmãos Olaf e Lars Petersson tiveram um ministério evangelístico igualmente impactante. Na Inglaterra, William Tyndale imprimiu a sua tradução inglesa do Novo Testamento em 1525; nem a religião inglesa nem a língua inglesa voltaram a ser iguais.

E assim poderíamos continuar. Lutero e Zuínglio podem ter liderado o caminho, mas eles não estavam sozinhos. Diante da face da Europa católica romana, inspirada pelos ideais de Erasmo e pela teologia de Agostinho, toda uma geração se separou das corrupções de uma igreja que havia se desviado. Não seria ruim investir algum tempo e energia em descobrir esses reformadores menos conhecidos.

Reformas múltiplas

Os historiadores modernos também enfatizam com razão que a Reforma Protestante foi apenas uma das reformas experimentadas pelas pessoas do século dezesseis. O contexto maior nos obriga a considerar também a Reforma Radical e a Contra-Reforma católica romana. Os reformadores radicais eram uma multidão muito diversa; atualmente eles são comumente divididos em anabatistas, racionalistas e espiritualistas, enquanto alguns historiadores acrescentam os milenaristas apocalípticos. Muitos começaram como seguidores de Lutero e Zuínglio, mas depois se separaram e seguiram o seu próprio curso.

Em meio às suas diversidades, os reformadores radicais concordavam quanto à rejeição da visão protestante da Escritura e da justificação somente pela fé. O mais duradouro dos grupos anabatistas evangélicos, os menonitas, tinha um entendimento católico romano sobre o cânon das Escrituras (aceitando os apócrifos). Todos os reformadores radicais repudiaram o batismo infantil, mas não tiveram acordo sobre o que colocar em seu lugar (batismo de crentes? Batismo do Espírito?). Qualquer ligação entre a igreja e o Estado, por mais tênue que fosse, eles também repudiaram, sendo talvez um ponto que a maioria dos protestantes modernos reforçam.

A Contra-Reforma foi a reforma interna empreendida pela igreja romana, em parte em resposta à Reforma Protestante. Algumas das correntes da reforma dentro de Roma foram (de um ponto de vista protestante) muito positivas, notadamente o movimento evangélico católico, que abraçou a justificação pela fé. No entanto, o que finalmente emergiu foi uma igreja romana solidificada em uma postura militante anti-protestantismo. Teologicamente, isso ocorreu através do Concílio de Trento, onde, por um período de vinte anos, a doutrina romana foi codificada com uma nova precisão e clareza anti-protestante. Em um nível mais popular, essa hostilidade militante à Reforma Protestante foi defendida com um vigor sem limites pela nova ordem monástica conhecida como a Companhia de Jesus, ou jesuítas.

No momento em que a poeira baixou, a Europa se viu dividida ao meio por linhas religiosas, com (aproximadamente) um norte protestante enfrentando um sul católico romano. Radicais, espalhados nos dois lados da divisão, foram perseguidos onde quer que vivessem. Cento e cinquenta anos de “guerra fria” religiosa se estendiam, às vezes culminando em devastadores conflitos militares que arrasaram o solo da Europa e o encharcaram de sangue. Pelo menos na Grã-Bretanha, a causa do protestantismo tornou-se aliada à causa do governo constitucional, com efeitos de longo alcance sobre o futuro da América.

Assim, um estudo adequado da Reforma mostra-nos que, longe de ser um inexplicável raio vindo do céu, foi em todos os pontos imersa na história de sua época. A Reforma teve raízes e antecedentes; teve canais de influência identificáveis; e tornou-se profundamente entrelaçada com a política e a cultura de seu próprio tempo singular (agora quinhentos anos distante de nós). Se me permitem, em conclusão, ouso citar algo que eu disse uma vez:

De muitas formas, os reformadores protestantes foram profundamente pessoas de seus próprios tempos, como somos do nosso. Não devemos esperar a perfeição deles, não mais do que uma geração futura descobrirá a perfeição em nós. Certamente descobriremos, contudo, ao imergirmos na era da Reforma, que (como Hollywood costuma reivindicar em seu status) “toda a vida está aqui”. Também podemos descobrir que essa vida — tão revigorante, tempestuosa e ousada — tem muito a nos oferecer hoje, em nossa própria comparativa exaustão e superficialidade.

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: André Aloísio Oliveira da Silva

Original: A Century of Change


Hits: 2764


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Nicholas Needham
Autor Nicholas Needham

Dr. Nicholas Needham é ministro da igreja baptista reformada de Inverness em Inverness, Scotland, e conferencista na história da igreja no Highland...



Ministério Ligonier
Parceiro Ministério Ligonier

O ministério Ligonier, fundado pelo pastor R.C. Sproul, tem como objetivo principal apresentar fielmente a verdade das Escrituras, através de cursos,...

Produtos Relacionados