quarta-feira, 24 de abril

Atração pelo mesmo sexo e identidade

O que sua atração sexual diz sobre quem você é?

A identidade é uma grande coisa. É como uma linguagem que carregamos no rosto, e diz muito sobre aquilo em que acreditamos a respeito de Deus, de nós mesmos e das outras pessoas. Incapaz de ajudar por si mesma, a identidade vai determinar a “forma” de governar nossos passos. A forma como nos movimentamos pelo mundo sempre poderá ser rastreada pelas seguintes perguntas: “Quem eu sou hoje?” e “Como é Deus sempre?”. A questão é de suma importância para os cristãos nascidos de novo que ainda sentem atração por pessoas do mesmo sexo. O mundo em que nos encontramos tornou a sexualidade central para nossa iden- tidade. Uma identidade em que o orgulho é demonstrado ao acenar uma promessa feita após Deus ter destruído o mundo com água. Ser gay não é apenas um modo de agir, mas um modo de ser. É, como dizem: “Apenas quem você é”. A cultura LGBT fez um excelente trabalho em re- novar, ou devo dizer destruir a mente de muita gente, esforços de atrair pessoas para encontrar maior alegria em se identificar com seu pecado do que em se identificar com seu Criador. Quando a santificação tem início na vida de um crente AMS[i], a renovação da mente também se inicia. Um lindo milagre no qual Deus entra e começa a transformar o coração em uma catedral, como foi seu intento original. Como é o coração, a mente também é. Um novo coração é o início de uma nova mente, mas ainda há necessidade de algum esforço de nossa parte. Não podemos simplesmente sentar e esperar que venha uma grande frutificação com um zelo mínimo. Trabalhamos com Deus do nosso lado para “agir conforme o milagre” (veja Fp 2.12-13) da santificação em seu mais grandioso potencial.[ii]

Quando uma pessoa antes escravizada por sua atração por pessoas do mesmo sexo torna-se crente, pode ser difícil aprender como se identificar por outro afeto. Se não for um problema de pressão, pode ser um problema de ignorância. Precisamos saber que a forma como nos identificamos vai influenciar o modo como direcionamos nossa vida. Em minha própria peregrinação com Deus, eu vi o impacto que a identidade pode ter sobre minha fé. Quando começo a me esquecer que sou amada, que sou perdoada e que sou uma nova criatura, deixo de agir conforme a fé e começo a me comportar como se meus pensamentos fossem mais inerrantes do que as Escrituras. A identidade que atribuo a Deus e a identidade que ele me dá sempre revelam a verdadeira natureza de minha fé.

Dessa forma, o desafio para o cristão AMS — no que concerne à identidade — não é aprender mais a respeito de si mesmo ou “se tornar alguém melhor”, como uma adesão ao autoempoderamento; é renovar a sua mente, para que homens e mulheres comecem a ver a si mesmos à luz de quem Deus revelou ser, a fim de glorificá-lo do modo como ele ordenou. Isso acontece no meio da comunidade, com muita oração, e com a internalização consistente e reflexiva da Palavra de Deus.

A seguir, estão quatro categorias que, creio, ajudarão o crente AMS a “agir dentro do milagre” da santificação, na medida em que se relaciona com a identidade. Abaixo de cada subtítulo, você encontrará uma lista das Escrituras que, espero, serão úteis quando lidas em oração, cridas de forma plena e meditadas diariamente por crentes AMS quando iniciarem a jornada de não se conformarem com o mundo do qual se libertaram, tendo sido transformados pela renovação de suas mentes (Rm 12.2).

Sem afeição natural e sem misericórdia. Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem. (Romanos 1.29-32).

Todos os artífices de imagens de escultura são nada, e as suas coisas preferidas são de nenhum préstimo; eles mesmos são testemunhas de que elas nada veem, nem entendem, para que eles sejam confundidos. (Isaías 44.9).

Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões; nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como ins- trumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça. (Romanos 6.12-13)

Este artigo é um trecho adaptado com permissão do livro Garota gay, bom Deus, de Jackie Hill Perry, Editora Fiel.


[i] AMS Atraídos pelo mesmo sexo

[ii] Disponível em: www.desiringgod.org/messages/i-act-the-miracle.


Autor: Jackie Hill Perry

Jackie Hill Perry é escritora, poetisa e artista, com trabalhos publicados no Washington Times, e 700 Club, Desiring God e Gospel Coalition. Ao se tornar cristã, em 2008, passou a usar seus dons para compartilhar a luz do evangelho de Deus da maneira mais autêntica possível. Jackie é esposa de Preston, com quem tem dois filhos, Eden e Autumn.

Ministério: Editora Fiel

Editora Fiel
A Editora Fiel tem como missão publicar livros comprometidos com a sã doutrina bíblica, visando a edificação da igreja de fala portuguesa ao redor do mundo. Atualmente, o catálogo da Fiel possui títulos de autores clássicos da literatura reformada, como João Calvino, Charles Spurgeon, Martyn Lloyd-Jones, bem como escritores contemporâneos, como John MacArthur, R.C. Sproul e John Piper.

Veja Também

Descanso para os viciados em trabalho

É no coração que encontramos as raízes dos problemas do trabalho excessivo. Cada vez mais, a escravidão ao trabalho é impulsionada a partir de dentro, e não de fora.