quarta-feira, 23 de outubro
Home / Artigos / Ela navegou com Cristo para a China (Esther Nelson)

Ela navegou com Cristo para a China (Esther Nelson)

Esther Nelson é uma estranha para você, a menos que você tenha me ouvido falar dela, ela seja sua parente distante ou você faça parte da igreja (provavelmente a parte mais velha da congregação) que ela chamou de lar.

Em 1924, Esther foi enviada para Sichuan, na China, por sua amada igreja local, First Swedish Baptist of Minneapolis (hoje Bethlehem Baptist). Seus anos lá abrangeram alguns dos períodos mais tumultuados da China: senhores da guerra disputavam território, o governo nacionalista dominava por duas décadas, Mao empreendeu sua “Grande Marcha”, bandidos ameaçavam viajantes, os japoneses invadiram o país, eclodiu a Segunda Guerra Mundial (assim como a guerra civil), e os comunistas tomaram o poder. Várias vezes, atividades “antiestrangeiras” forçaram a evacuação de Esther para uma parte mais segura do país.

Uma Sueca à procura

Nascida em Blekinge Län, no sul da Suécia, em 1890, Esther viajou em 1893 com sua mãe e cinco irmãos para Minnesota, onde seu pai havia se mudado dois anos antes para estabelecer um novo lar para sua família. Quando criança pequena, ela e as outras crianças foram enviadas para uma pequena escola dominical. Anos depois, ela escreveu em seu testemunho pessoal

“Tudo que eu lembro foi o meu amor pela escola dominical e pela igreja e que fui chamada para ir a um país estrangeiro como missionária. Não sei por que ou como tive esse chamado ou convicção. Eu apenas considerei e resolvi que nunca iria me casar ou me estabelecer, pois estava indo para a África”.

No entanto, mesmo nessa idade precoce, Esther sabia que ela ainda não era cristã. Ela escreveu:

“Eu sabia que não era salva e que primeiro deveria ser uma cristã, ou como eu poderia contar sobre salvação aos outros? Até onde me lembro, ansiava e orava pela salvação”.

Esther procurou por Cristo por toda a sua infância e da maior parte de sua adolescência, passando incontáveis ​​horas lendo sua Bíblia, orando e chorando diante de Deus. Da fazenda para onde sua família se mudou quando ela tinha onze anos, ela caminhava aproximadamente cinco quilômetros até a igreja para participar de todos os eventos que pudesse. “Eu não conseguia entender por que não conseguia encontrar Cristo”, escreveu ela mais tarde. Ela pensava que talvez ela fosse muito má, ou tivesse cometido algum pecado imperdoável, ou simplesmente fosse um pária do reino de Deus. Ela muitas vezes chorava até dormir.

Quão feliz e livre

Aos dezessete anos, o caminho de Esther tomou um rumo que levou suas orações a serem respondidas. Sua mãe a mandou para a cidade para trabalhar como empregada doméstica em uma casa particular. Ela pensou: “Em Minneapolis, é claro que eu o encontraria lá”. Ela contou a história em seu testemunho:

“Como eu orei para que eu fosse levada a uma igreja. Certa tarde de quinta-feira, recebi um telefonema de Anna Anderson, uma vizinha nossa. Ela também havia descido para o trabalho. Ela me perguntou se eu gostaria de ir com ela para a reunião de oração. Eu quase chorei de alegria. Eu fui. Como eu festejei.

Dois ou três meses depois, entreguei meu coração ao Senhor no porão de nossa própria igreja. Como eu amo aquele lugar. Quão feliz, quão livre eu estava. Aqueles anos, desde a época em que me tornei consciente de minha condição até me render a Cristo, pareceram um século”.

Sua busca terminara, e finalmente chegara a hora de Esther preparar-se para responder ao chamado para a missão, que ela sentira por tanto tempo. Como ela ainda não havia estudado além do ensino médio, ela buscou mais estudos na Bethel Academy (hoje Bethel University) e depois recebeu treinamento de enfermagem no Swedish Hospital.

Adeus, Minnesota

Uma página da história manuscrita de Esther está faltando, onde ela deve ter explicado por que ela não foi para a África, o continente que ela sonhara quando criança. Pode ser que quando ela terminou seu treinamento de enfermagem, ela fosse necessária na China. Quando ficou claro que a China era seu destino, tornou-se o lar de seu coração. Em uma carta para a congregação da First Swedish Baptist Church, ela escreveu:

“Mais uma noite neste querido país natal e depois adeus.

‘Quanto ao mais, irmãos, adeus! Aperfeiçoai-vos, consolai-vos, sede do mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz estará convosco’. (2Co 13.11).

Adeus minha querida e querida igreja.

Adeus Minneapolis.

Adeus Minnesota, estado de 10.000 lagos.

E adeus EUA.

Enquanto deixo vocês com um adeus, me viro e, do outro lado, vejo um aceno de boas-vindas – meu povo escolhido. Que Deus os abençoe”.

Enquanto Deus preparava Esther para a China, cada passo a separava de sua família. Ela foi a única que se tornou batista, considerada uma seita herética pela igreja luterana sueca da época. Seus irmãos completaram apenas entre quatro a oito anos de escola, um tempo comum de educação para muitas famílias de agricultores na Suécia e em Minnesota. E então cada um de seus irmãos se casou.

Para todos os Nelsons, exceto Esther, o capítulo épico de sua história foi a despedida de sua pátria sueca e sua jornada para a América. É duvidoso que algum deles entenda a determinação de Esther em continuar distante, do outro lado do mundo. Certamente sua mãe não. Depois de se tornar viúva, sua mãe assumiu que Esther, que não se casara, permaneceria com ela e cuidaria dela.

Esther a enfermeira

Essa intensa persistência em conhecer e perseguir a vontade de Deus marcou sua vida. Isso permitiu que ela tornasse leve situações em que outros fugiriam. Em 1935, no meio da Grande Marcha de Mao, colchas no chão do corredor do hospital superlotado foram usadas como camas para vítimas de conflitos próximos entre as forças nacionalistas e os seguidores de Mao. Em uma carta para sua amiga Elsie Viren, ela escreveu:

“O povo chinês estava saindo às centenas. Nos pediram para nos mantermos preparados para o voo imediato. De alguma forma, simplesmente não consegui fazer as malas. Nós estávamos tristes. Não há nada mais difícil do que sair e correr. É preciso coragem para fazer isso. Como não tenho muita, pedi para ficar. Finalmente me disseram que eu poderia fazer parte do corpo de serviços essenciais. Eu fiquei feliz. Eu odeio partir. Eu gosto de ficar. (Eu não sei de qual parte dos serviços essenciais eu era”.)

Entre 1924 e 1945, Esther trabalhou principalmente como enfermeira e educadora médica em hospitais batistas na cidade de Chengdu e depois em Yibin e Ya’an, vilas mais ao sul de Sichuan. Em uma carta à sua igreja, ela escreveu sobre os efeitos da deficiência regional do iodo natural. “Esse é um terrível cinturão de bócio – bócios gigantescos com uma massa pendente e também bócios pequenos. A maioria das pessoas os tem, até mesmo crianças”.

Ela também escreveu:

“Talvez vocês estejam cansados de ouvir falar dos feridos e doentes, mas no mês passado eu não fui a nenhum outro lugar, nem mesmo à igreja. Além dos soldados feridos, estamos agora combatendo a malária, a febre recorrente, a febre tifoide e a disenteria”.

Sem um marido ou filhos, Esther podia cuidar dos chineses feridos e doentes que vinham pedir ajuda. Mas ela ansiava por mais do que a cura física de seus próximos. Ela ansiava por levar Cristo além das paredes do hospital.

Esther, a evangelista

Além de administrar cuidados médicos, Esther distribuía folhetos e livretos evangélicos aos pacientes sob seus cuidados, bem como aos vizinhos que encontrava no caminho de ida e volta do dispensário. “Eu tenho um tempo maravilhoso, fazendo amigos ao longo desses dois blocos”, escreveu ela. “Eu frequentemente me sento e converso um pouco com eles. No minuto em que saio, as crianças me chamam e se aglomeram. Como eu amo estar com elas.”

Em 1945, a denominação de Esther, a Baptist General Conference (anteriormente a Swedish Baptist Conference) formou a “Foreign Mission Board” (Conselho de Missões Estrangeiras). Em sua solicitação ao BGC, ela escreveu:

“Depois de trabalhar no hospital nesses anos, agora gostaria de dedicar todo o meu tempo ao trabalho evangelístico. Eu também pensei em entrar em um novo território onde o Evangelho não é conhecido”.

No final de 1947, quando Esther tinha 57 anos, Deus respondeu a esse desejo. Seu último capítulo na China foi em Huili, perto de um dos povos minoritários da China, os Nosu. Seus colegas de trabalho americanos eram dois jovens casais com filhos pequenos e mais outra mulher solteira.

Sempre que podia, Esther caminhava de trinta a cinquenta quilômetros para as montanhas desoladas e íngremes para visitar comunidades remotas. Ela falava na área do mercado ao ar livre até ficar rouca, às vezes usando o flanelógrafo e o cavalete dobrável dado por sua igreja. E como em Huili, ela ia de porta em porta, visitando os aldeões um a um. Certa vez ela escreveu:

“Acabei de voltar de uma semana de viagem de trinta quilômetros. Na maior parte do tempo, eu orava pedindo a bênção do Senhor sobre aqueles evangelhos e folhetos.

A primeira metade do nosso retorno foi montanha acima, algumas vezes por caminhos muito íngremes. Havíamos distribuído apenas cinco ou seis evangelhos com alguns folhetos, por isso me perguntei por que teria percorrido aquele longo caminho e não realizado nada. Então me veio, quem sabe? Apenas o Senhor. Talvez uma dessas pessoas tenha sido a razão da nossa viagem. De volta à estalagem, soubemos que a estrada pela qual viajávamos era infestada de ladrões. Mas o Senhor nos guardou”.

Memoriais Chineses

Após o estabelecimento do Comunismo em 1949 na China, a “libertação” espalhou-se por aquela grande terra, alcançando Huíli em 1950. Os estrangeiros foram expulsos. Os missionários enlutados deixaram para trás uma pequena igreja de cerca de vinte e cinco anos, sem saber qual seria o destino deles.

Esther viveu mais vinte e quatro anos em Minneapolis, sem saber como Deus estava trabalhando na China fora da vista do mundo. Ela não sabia a forma como o próprio Deus continuava o trabalho que ele havia iniciado através dos missionários ocidentais, salvando cerca de cinquenta milhões de cristãos durante as décadas seguintes do regime comunista da China.

Não há nenhuma placa no túmulo de Esther em Minneapolis, um lembrete de que seu memorial não é de pedra, mas o coração do povo chinês tocado por seu Salvador.

 

Tradução: Paulo Reiss Junior.
Revisão: Filipe Castelo Branco.
Fonte: She Sailed with Christ to China.


Autor: Noel Piper

Noël Piper é esposa de John Piper, mãe de cinco filhos e avó de doze. Ela é autora de "Mulheres e Seu Deus Maravilhoso", da Editora Fiel.

Parceiro: Desiring God

Desiring God
Ministério de ensino de John Piper que, há mais de 30 anos, supre ao corpo de Cristo com livros, sermões, artigos.

Ministério: Ministério Fiel

Ministério Fiel
Ministério Fiel: Apoiando a Igreja de Deus.

Veja Também

Por que um pastor deveria ficar muito tempo em uma igreja?

Pastores, permaneçam firmes nas coisas que vocês sabem ser verdadeiras e corretas.