terça-feira, 15 de outubro
Home / Artigos / O que é a glória de Deus

O que é a glória de Deus

O trecho abaixo foi extraído do livro Lendo a Bíblia de Forma Sobrenatural, de John Piper, Editora Fiel.

Achando palavras para a glória de Deus

Lembro-me de um dia, quando eu estudava na faculdade, em que Clyde Kilby, meu professor de inglês favorito, disse algo com este sentido: “Uma das maiores tragédias da queda é que ficamos entediados de glórias costumeiras”. Essa afirmação simples penetrou em minha consciência. Deixou-me triste, porque percebi quão superficial e insensível eu era para com muitas maravilhas ao meu redor. Encheu-me de um anseio por não ser mais assim. Eu não queria chegar nos Alpes, ser cheio de admiração por alguns dias e, no final da semana, ficar assistindo à televisão no chalé. Lamentei minha capacidade de bocejar durante o “Aleluia” de Handel.

Isso significa que abomino o pensamento de falar sobre a glória de Deus de uma maneira que seja tão familiar, tão monótona ou tão padronizada, que enfraqueça o senso de admiração. Evidentemente, eu compreendo que somente Deus pode despertar verdadeira admiração da sua glória. Kilby estava certo. A queda nos deixou profundamente disfuncionais em nossas emoções. Somos empolgados pelo trivial e nos entediamos com a grandeza. Coamos um mosquito para admirar e absorver um camelo de glória imperceptível. Apesar disso, quero tentar usar uma linguagem que nos ajude a perceber o que é a glória de Deus, se eu puder. Essa é a razão do esforço para achar outras palavras além de glória – palavras como dignidade, beleza, valor e excelência.

O que é a glória de Deus?

Meu entendimento da glória de Deus tem sido moldado profundamente por sua relação com a santidade de Deus. Tenho em mente a maneira como esta relação se expressa em Isaías 6.1-3:

No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo. Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobria o rosto, com duas cobria os seus pés e com duas voava. E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória.

Por que o profeta não disse: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua santidade”? Minha sugestão é que a glória de Deus é a santidade de Deus colocada em exibição. Quando a santidade de Deus brilha na criação, é chamada “glória de Deus”.

A santidade de Deus

Isso leva a questão do significado de glória à santidade de Deus. O que é isso? O significado fundamental da palavra santo no Antigo Testamento (hebr., chad?sh) é a ideia de ser separado – diferente e separado de algo. Quando aplicado a Deus, isso significa que a santidade de Deus é sua separação de tudo que não é Deus. Isto significa, então, que ele é uma classe isolada. E, como todas as coisas boas que são raras, quanto mais rara ela for, tanto mais valiosa ela é. Portanto, Deus é supremamente valioso.

Podemos ver este significado da santidade de Deus nas duas ilustrações seguintes. Primeira, quando Moisés feriu a rocha, em vez de falar à rocha como Deus o instruíra, Deus lhe disse: “Visto que não crestes em mim, para me santificardes diante dos filhos de Israel, por isso, não fareis entrar este povo na terra que lhe dei” (Nm 20.12; ver 27.14). Em outras palavras, quando Moisés não creu em Deus, não o tratou como sendo em si mesmo uma classe única e magnífica de poder e confiança. Moisés o tratou como se fosse outra pessoa comum e desconfiável, indisposta e incapaz de fazer o que dissera. Mas Deus não é comum. Ele não é como os outros. Deus é santo.

Segunda, em Isaías 8.12-13, Deus falou a Isaías: “Não chameis conjuração a tudo quanto este povo chama conjuração; não temais o que ele teme, nem tomeis isso por temível. Ao Senhor dos Exércitos, a ele santificai; seja ele o vosso temor, seja ele o vosso espanto”. Em outras palavras, não coloquem a Deus no mesmo grupo de todos os seus outros temores e espantos.

Tratem-no como um temor e espanto totalmente único. Separem-no de todos os temores e espantos comuns.

Eis aqui, portanto, como eu concebo a santidade de Deus. Deus é tão separado, tão acima, tão distinto de tudo mais – tudo que não é Deus – que é autoexistente, autossustentável e autossuficiente. Portanto, ele é infinitamente completo, pleno e perfeito em si mesmo. Deus é separado e transcendente acima de tudo que não é Deus. Ele não foi trazido à existência por qualquer coisa fora dele mesmo. Deus é, portanto, autoexistente. Ele não depende de nada para sua existência permanente, sendo, por isso, autossustentável. E, por conseguinte, ele é totalmente autossuficiente. Completo, pleno, perfeito.

A Bíblia deixa claro que este Deus autoexistente, autossustentável, autossuficiente existe como três pessoas em uma essência divina. O Pai conhece e ama perfeita, completa e infinitamente o Filho; e o Filho conhece e ama perfeita, completa e infinitamente o Pai; e o Espírito Santo é a expressão perfeita, completa e infinita do amor mútuo entre o Pai e o Filho. Esta comunhão trinitária perfeita é essencial à plenitude e perfeição de Deus. Não há nenhuma carência, nenhuma deficiência, nenhuma necessidade – apenas plenitude, completude e autossuficiência perfeitas.


Autor: John Piper

John Piper é um dos ministros e autores cristãos mais proeminentes e atuantes dos dias atuais, atingindo com suas publicações e mensagens milhões de pessoas em todo o mundo. Ele exerce seu ministério pastoral na Bethlehem Baptist Church, em Minneapolis, MN, nos EUA desde 1980.

Parceiro: Desiring God

Desiring God
Ministério de ensino de John Piper que, há mais de 30 anos, supre ao corpo de Cristo com livros, sermões, artigos.

Ministério: Editora Fiel

Editora Fiel
A Editora Fiel tem como missão publicar livros comprometidos com a sã doutrina bíblica, visando a edificação da igreja de fala portuguesa ao redor do mundo. Atualmente, o catálogo da Fiel possui títulos de autores clássicos da literatura reformada, como João Calvino, Charles Spurgeon, Martyn Lloyd-Jones, bem como escritores contemporâneos, como John MacArthur, R.C. Sproul e John Piper.

Veja Também

A loucura da cruz para a salvação

Sem ajuda, e sem ser iluminado, o pecador em sua condição natural e sem o evangelho jamais encontrará seu caminho para Deus.