domingo, 18 de agosto
Home / Artigos / E habitarei na Casa do Senhor para todo o sempre

E habitarei na Casa do Senhor para todo o sempre

Os salmos de Davi estão cheios de desejo de permanecer na presença de Deus, dentro de sua casa. No Salmo 26.8, Davi declara: “Eu amo, SENHOR, a habitação de tua casa e o lugar onde tua glória assiste”. No salmo seguinte, Davi professa que esse anseio é o impulso singular de seu coração, dizendo: Uma coisa peço ao SENHOR, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do SENHOR e meditar no seu templo”. (27.4). Outro salmo, pelos filhos de Corá, expressa o mesmo desejo não menos ardentemente: “Quão amáveis são os teus tabernáculos, Senhor dos Exércitos! A minha alma suspira e desfalece pelos átrios do SENHOR; o meu coração e a minha carne exultam pelo Deus vivo”!   e declara: “Bem-aventurados os que habitam em tua casa”; (84.1–2,4). Tal anseio pela vida com Deus na casa de Deus conclui o que talvez seja o mais conhecido e amado salmo: “E habitarei na casa do SENHOR para sempre” (23.6).

Longe do sentimentalismo vazio, o desejo de Davi foi alimentado por uma teologia robusta, por sua compreensão do caráter de Deus, bem como de seus propósitos e promessas para o seu povo. De fato, tal esperança de morar com Deus foi revelada pelo próprio Deus. Depois que Deus libertou Israel através das águas do mar, Moisés conduziu o povo em uma canção divinamente inspirada, que ensinava que o Senhor, em seu constante amor, guiaria o povo que ele havia redimido, guiando-os para a “habitação da sua santidade”, ainda no “santuário, ó Senhor, que as tuas mãos estabeleceram” (Êx 15.13,17). Israel havia sido redimido para morar com Deus. Maravilhosamente, Davi entendeu que seu desejo de habitar com Deus era irrisório em comparação com o zelo do próprio Senhor como aquele que – maravilha das maravilhas – disse: “E me farão um santuário, para que eu possa habitar no meio deles” (Êx 25.8). Enquanto os peregrinos israelitas viajavam para Jerusalém para as festas anuais, o templo de Salomão no Monte Sião servia como símbolo do propósito final de Deus de habitar com o seu povo. Significativo para essa teologia, um altar imponente e ensanguentado ficava no pátio antes da entrada da casa de Deus.

No Salmo 23, Davi expõe a esperança de habitar com Deus de uma maneira dupla. Primeiro, a casa de Deus é retratada como o fim da jornada para o seu povo. Usando as imagens pastorais do êxodo em si, Davi retrata o Senhor como seu pastor durante toda esta vida. As imagens então mudam para a de hospitalidade: conforme a orientação culmina na chegada, o Pastor se torna o anfitrião. Curiosamente, a transição da metáfora de uma ovelha liderada por seu pastor para a de um convidado honrado por seu anfitrião ocorre “pelo do vale da sombra da morte” (v. 4). Para Davi, então, a esperança de morar com Deus na casa de Deus era uma realidade orientada para o futuro, uma escatologia. A expectativa de David era certa, uma vez que ele, como pastor, entendia que a chegada não era um fardo colocado sobre as ovelhas – temerosas, insensatas e rebeldes como costumam ser. Em vez disso, a orientação, cuidado e proteção das ovelhas, juntamente com a chegada ao seu destino, eram uma carga imposta ao pastor.

Em segundo lugar, a casa de Deus é apresentada como o começo da glória eterna. Para ser certeza, as delícias e alegrias da casa de Deus são provadas nesta vida, especialmente entre as pessoas de Deus no culto do sábado. Além disso, o Senhor realmente estendeu uma mesa no deserto durante as jornadas de Israel, mas esses exemplos, abençoados como são, são meros prognósticos do banquete que Deus preparou para o seu povo na “casa” de uma nova e gloriosa criação. Untar a cabeça com óleo e despejar no cálice até transbordar são descrições simbólicas destinadas a retratar a generosa hospitalidade (v. 5). Deus é aqui descrito como um antigo anfitrião do Oriente Próximo que generosamente honra e sacia seus convidados com abundância transbordante. Em outro lugar, Davi desenvolve o conceito, dizendo que os filhos de Deus “Fartam-se da abundância da tua casa, e na torrente das tuas delícias lhes dás de beber”. (Sl 36.8). A palavra que Davi usa aqui para “delícias” é construída a partir da mesma raiz do Éden, o paraíso de Deus, onde a humanidade uma vez desfrutou das delícias de sua comunhão. O fim de nossa jornada é também um novo começo, o início da vida supremamente abençoada com Deus e seu povo em um paraíso mais glorioso do que o Éden.

No entanto, mesmo “convidado de honra” não capta suficientemente nem a esperança de Davi nem sua essência. Essa generosa hospitalidade é, abundantemente, derramada sobre filhos e filhas. Através da obra expiatória de Jesus Cristo e da união com ele pelo Espírito Santo, os pecadores podem se tornar os filhos e a casa de Deus, nascidos de Deus (Jo 1.12-13; Ef 2.19). Como o retorno do Filho Pródigo consumado em um abraço prolongado por seu pai ofegante, também o fim de nossa jornada e o início da eternidade são realmente uma volta para casa – e ainda existem “vazios” na casa de Deus até que todos os seus filhos voltem para casa. Liderados pelo Bom Pastor, o Senhor Jesus Cristo, que entregou a vida por suas ovelhas, o povo de Deus entrará, de fato, pelos seus portões, com ações de graças e em seus átrios com louvor (João 10.1–18; veja Sl 100).

Tradução: Paulo Reiss Junior.
Revisão: Filipe Castelo Branco.
Fonte: And I Shall Dwell in the House of the Lord Forever.

Autor: L. Michael Morales

Dr. Michael Morales é presidente de Estudos Bíblicos na Reforma Bible College, e é autor de "O Tabernáculo pré-figurado" (The Tabernacle Pre-Figured).

Parceiro: Ministério Ligonier

Ministério Ligonier
Ministério do pastor R.C. Sproul que procura apresentar a verdade das Escrituras, através diversos recursos multimídia.

Ministério: Ministério Fiel

Ministério Fiel
Ministério Fiel: Apoiando a Igreja de Deus.

Veja Também

Obedeça a Deus com a sua criatividade: O dever cristão da imaginação

A imaginação pode ser o trabalho mais difícil da mente humana. E talvez o mais divino.