sexta-feira, 1 de julho

O que Jesus quer neste Natal?

Ouvir Artigo

O que Jesus quer neste Natal? Nós podemos ver a resposta nas suas orações. O que ele pedia a Deus? A sua oração mais longa está em João 17. O clímax dos Seus pedidos está no verso 24.

Entre todos os pecadores indignos do mundo, existem aqueles que Deus “deu” para Jesus. Esses são aqueles que o Pai trouxe ao Filho (Jo 6.44, 65). Esses são cristãos — pessoas que “receberam” Jesus como o Salvador crucificado e ressurreto, Senhor e Tesouro de suas vidas (Jo 1.12; 3.17; 6.35; 10.11, 17-18; 20.28). Jesus disse que deseja que eles estejam consigo.

Às vezes, nós ouvimos as pessoas dizerem que Deus criou o homem porque ele estava solitário. Eles dizem: “Deus nos criou para que estivéssemos com ele.” Jesus concorda com isso? Bem, de fato, ele diz realmente que queria que nós estivéssemos com ele! Sim, mas por quê? Consideremos o resto do versículo. Por que Jesus queria que nós estivéssemos com ele?

…para que vejam a minha glória que [tu, Pai] me deste; porque tu me amaste antes da fundação do mundo.

Essa seria uma maneira estranha de expressar sua solidão. “Eu os quero comigo para que possam ver a minha glória.” De fato, isso não expressa a solidão dele. Isso expressa a sua preocupação quanto à satisfação do nosso anseio, e não a sua solidão. Jesus não é solitário. Ele e o Pai e o Espírito são profundamente satisfeitos na comunhão da Trindade. Nós, não ele, estamos famintos por algo. E o que Jesus deseja para o Natal é que experimentemos aquilo para que fomos realmente criados — contemplar e experimentar a sua glória.

Ó, que Deus penetre isso em nossas almas! Jesus nos fez (Jo 1.3) para vermos a sua glória.

Um pouco antes de ir para a cruz, ele pede seus desejos mais profundos ao Pai: “Pai, eu desejo [eu desejo!] que eles… estejam comigo, para que vejam a minha glória.”

Mas isso é apenas metade do que Jesus queria nesses versos finais e culminantes de sua oração. Acabei de dizer que fomos, de fato, feitos para contemplar e experimentar a sua glória. Não era isso que ele queria — que não apenas pudéssemos ver a sua glória, mas também experimentá-la, nos satisfazer nela, nos deleitar nela, fazer dela o nosso tesouro e amá-la? Considere o verso 26, o último verso:

Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei conhecer, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles, e eu neles esteja.

Esse é o final da oração. Qual é o propósito final de Jesus para nós? Não que simplesmente vejamos a Sua glória, mas que nós o amemos com o mesmo amor que o Pai tem por ele: “A fim de que o amor com que [tu, Pai] me amaste esteja neles, e eu neles esteja”.

O anseio e propósito de Jesus é que vejamos sua glória e, então, sejamos capazes de amar o que vemos, com o mesmo amor que o Pai tem pelo Filho. E ele não quer dizer que nós meramente imitemos o amor do Pai pelo Filho. Ele quer dizer que o próprio amor do Pai se torne o nosso amor pelo Filho — que amemos o Filho com o amor do Pai pelo Filho. Isso é o que o Espírito se torna e derrama em nossas vidas: amor ao Filho pelo Pai através do Espírito.

O que Jesus mais quer para o Natal é que seus eleitos estejam reunidos e, então, consigam o que eles mais desejam — contemplar Sua glória e, então, experimentá-la com o mesmo saborear do Pai pelo Filho.

O que eu mais quero para o Natal neste ano é juntar-me a você (e a muitos outros) em contemplar Cristo em toda sua plenitude e que juntos sejamos capazes de amar o que vemos, com um amor que vai muito além de nossa vacilante capacidade humana. Esse é o nosso objetivo nesses devocionais para o Advento. Queremos, juntos, contemplar e provar esse Jesus cujo primeiro “advento” (vinda) celebramos, e cujo segundo advento antecipamos.

Isso é o que Jesus pede por nós neste Natal: “Pai, mostre- lhes a minha glória e lhes dê o mesmo deleite em mim que tu tens em mim.” Oh! que possamos ver a Cristo com os olhos de Deus e saborear a Cristo com o coração de Deus! Essa é a essência do céu. Esse é o presente que Cristo veio comprar para pecadores ao custo de Sua morte em nosso lugar.

Artigo adaptado do livro Boas-Novas de Grande Alegria, de John Piper, publicado pela Editora Fiel.


Autor: David Mathis

David Mathis é pastor assistente do Pastor John Piper na Bethlehem Baptist Church e do ministério Desiring God em Minneapolis, Minnesota, EUA.

Parceiro: Desiring God

Desiring God
Ministério de ensino de John Piper que, há mais de 30 anos, supre ao corpo de Cristo com livros, sermões, artigos.

Ministério: Editora Fiel

Editora Fiel
A Editora Fiel tem como missão publicar livros comprometidos com a sã doutrina bíblica, visando a edificação da igreja de fala portuguesa ao redor do mundo. Atualmente, o catálogo da Fiel possui títulos de autores clássicos da literatura reformada, como João Calvino, Charles Spurgeon, Martyn Lloyd-Jones, bem como escritores contemporâneos, como John MacArthur, R.C. Sproul e John Piper.

Veja Também

As igrejas realmente têm autoridade?

Às vezes, as igrejas fazem julgamentos errados, assim como embaixadores e embaixadas ou juízes e tribunais. Ainda assim, esse é o trabalho que Jesus dá às igrejas.